Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/02/2011

Exercícios físicos ajudam a manter a memória em forma

Agência Fapesp
Exercícios físicos ajudam a manter a memória em forma
Em estudo com adultos de 55 a 80 anos, caminhar três vezes por semana por um ano aumentou o volume do hipocampo e melhorou a perda de memória e da capacidade cognitiva associadas ao envelhecimento.[Imagem: Ag.Fapesp]

Praticando a memória

Exercícios físicos aeróbicos podem diminuir a perda de memória em idosos e prevenir o declínio cognitivo associado com o envelhecimento.

Esta é a conclusão de um estudo realizado nos Estados Unidos,e que será publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

A pesquisa verificou que um ano de exercícios físicos moderados foi capaz de aumentar o tamanho do hipocampo em adultos mais velhos, levando a uma melhoria na memória espacial.

De acordo com estudos anteriores, o hipocampo diminui com a idade, o que afeta a memória e aumenta o risco de demência.

Memória dos exercícios

Arthur Kramer e seus da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign examinaram os cérebros de 60 adultos saudáveis com idades entre 55 e 80 antes, durante e após o período de um ano de exercícios.

Os pesquisadores observaram que os participantes que caminharam por 40 minutos, três vezes por semana, tiveram um aumento de em média 2,12% no volume do hipocampo esquerdo e de 1,97% no direito.

O grupo que praticou apenas exercícios de alongamento teve diminuição média de 1,40% no hipocampo esquerdo e de 1,43% no direito no período.

Testes de memória espacial foram conduzidos antes, com seis meses e após um ano.

Aqueles que integraram o grupo de exercício aeróbico apresentaram melhoria nas funções de memória, que os cientistas apontam estar associado com o aumento no hipocampo.

Biomarcadores

O grupo que praticou atividade física aeróbica também teve aumento em diversos biomarcadores associados com a saúde cerebral, como no fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF, na sigla em inglês), uma pequena molécula envolvida na memória e na aprendizagem.

"Os resultados do estudo são particularmente interessantes por indicarem que mesmo pequenas quantidades de exercícios em adultos mais velhos e sedentários podem levar a melhorias substanciais na memória e na saúde cerebral", disse Kramer.

Veja outras pesquisas que concordam com as conclusões deste estudo:


Ver mais notícias sobre os temas:

Memória

Atividades Físicas

Neurociências

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Uma em cada cinco mulheres faz histerectomia sem precisar

Computador avalia sua personalidade melhor que seus amigos

Primeira anestesia descoberta em mais de 50 anos

"Tapete voador" de grafeno destrói células de câncer

Abacate reduz colesterol mais que dieta