Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/02/2011

Exercícios físicos ajudam a manter a memória em forma

Agência Fapesp
Exercícios físicos ajudam a manter a memória em forma
Em estudo com adultos de 55 a 80 anos, caminhar três vezes por semana por um ano aumentou o volume do hipocampo e melhorou a perda de memória e da capacidade cognitiva associadas ao envelhecimento.[Imagem: Ag.Fapesp]

Praticando a memória

Exercícios físicos aeróbicos podem diminuir a perda de memória em idosos e prevenir o declínio cognitivo associado com o envelhecimento.

Esta é a conclusão de um estudo realizado nos Estados Unidos,e que será publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

A pesquisa verificou que um ano de exercícios físicos moderados foi capaz de aumentar o tamanho do hipocampo em adultos mais velhos, levando a uma melhoria na memória espacial.

De acordo com estudos anteriores, o hipocampo diminui com a idade, o que afeta a memória e aumenta o risco de demência.

Memória dos exercícios

Arthur Kramer e seus da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign examinaram os cérebros de 60 adultos saudáveis com idades entre 55 e 80 antes, durante e após o período de um ano de exercícios.

Os pesquisadores observaram que os participantes que caminharam por 40 minutos, três vezes por semana, tiveram um aumento de em média 2,12% no volume do hipocampo esquerdo e de 1,97% no direito.

O grupo que praticou apenas exercícios de alongamento teve diminuição média de 1,40% no hipocampo esquerdo e de 1,43% no direito no período.

Testes de memória espacial foram conduzidos antes, com seis meses e após um ano.

Aqueles que integraram o grupo de exercício aeróbico apresentaram melhoria nas funções de memória, que os cientistas apontam estar associado com o aumento no hipocampo.

Biomarcadores

O grupo que praticou atividade física aeróbica também teve aumento em diversos biomarcadores associados com a saúde cerebral, como no fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF, na sigla em inglês), uma pequena molécula envolvida na memória e na aprendizagem.

"Os resultados do estudo são particularmente interessantes por indicarem que mesmo pequenas quantidades de exercícios em adultos mais velhos e sedentários podem levar a melhorias substanciais na memória e na saúde cerebral", disse Kramer.

Veja outras pesquisas que concordam com as conclusões deste estudo:


Ver mais notícias sobre os temas:

Memória

Atividades Físicas

Neurociências

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Seu relacionamento está caminhando para o casamento?

Composto do café previne obesidade e doenças associadas

Nanomaterial antimicrobiano inova odontologia

O importante é a função do HDL, não apenas seu nível

HIV pode ser transmitido por instrumentos de manicure?