Desconhecida Febre Q é identificada no Brasil

Febre Q

O Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) usou um teste molecular inédito para diagnosticar o primeiro caso da chamada febre Q.

Motivo de preocupação em países europeus como França e Holanda - onde vários surtos da zoonose foram registrados nos últimos anos, a doença ainda é pouco conhecida no continente americano.

Causada pela bactéria Coxiella burnettii, a febre Q é transmitida ao homem pela inalação de partículas contaminadas do ar ou pelo contato com o muco vaginal, leite, fezes, urina ou sêmen de gado, ovelhas, cabras e outros mamíferos domésticos, incluindo cães e gatos, quando infectados.

Infecção dormente

Além de diagnosticar o paciente, que não teve sequelas, os pesquisadores do IOC conseguiram, mediante intenso esforço de investigação, identificar a origem e todo o ciclo de transmissão da doença, encerrando o caso de forma conclusiva.

A infecção por C. burnettii pode permanecer assintomática no organismo e ser reativada em casos de gravidez, hemodiálise, presença de valvulopatia, prótese valvar, aneurisma aórtico ou imunodeficiência, causando outras manifestações clínicas mais graves como a endocardite e a pneumonia.

O trabalho realizado pelo IOC confirmou o diagnóstico e comprovou a circulação da bactéria em uma pequena propriedade rural localizada na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Febre que vem pelo ar

A pesquisadora Elba Lemos, chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do IOC, ressalta que a falta de conhecimento e, consequentemente, a falta de diagnóstico, são alguns dos desafios encontrados.

"O desconhecimento acerca da febre Q é muito grande entre os médicos, especialmente no Brasil. Porém, é uma zoonose que está dispersa no mundo todo", alerta a pesquisadora.

"A bactéria C. burnettii apresenta uma resistência muito grande, por isso ela permanece no ambiente e há grande dificuldade em eliminá-la. A bactéria é encontrada principalmente em produtos de abortos e partos de animais que, com o tempo, se transformam em partículas dispersas no ar que podem ser carreadas pelo vento em um raio de até dois quilômetros", completa a especialista.

Análise molecular

"O objetivo [da pesquisa] foi auxiliar a vigilância epidemiológica de uma doença frequentemente adquirida pela exposição a animais. Além de confirmar o diagnóstico da febre Q por análise molecular, estamos realizando a análise sorológica e molecular de amostras biológicas de familiares contatantes do paciente, além de animais domésticos, cães e gatos, cabras e equinos existentes na propriedade", explica Maria Angélica Mares-Guia, que realizou o exame inédito.

No Brasil, a doença não é de notificação compulsória e não há preocupação com o diagnóstico. "Os resultados obtidos poderão contribuir no alerta para a vigilância pelo sistema de saúde local e, possivelmente, na instituição da febre Q como doença de notificação compulsória no país", conclui Elba Lemos.

Segundo a pesquisadora, este é o primeiro caso da doença confirmado por análise molecular no Brasil.

Anteriormente, existiam apenas evidências sorológicas (casos diagnosticados mediante a constatação da presença de anticorpos no sangue do paciente, indicando contato prévio com a bactéria).

No caso recente, ocorrido no Rio de Janeiro, o emprego de técnicas moleculares permitiu detectar a presença da própria bactéria na amostra, por meio da identificação do seu material genético.

Primeiro caso de febre Q no Brasil

"A primeira descrição da febre Q no país foi em 1953, em São Paulo. Embora existam estudos soroepidemiológicos que evidenciem a circulação da C. burnettii no Brasil, só recentemente os casos têm sido identificados e todos, até o momento, foram confirmados com base no teste sorológico", explica a pesquisadora.

"Em um estudo recente, também desenvolvido pelo IOC, foram realizadas análises sorológicas em indivíduos HIV reativos e quatro pacientes do sexo feminino apresentaram anticorpos anti C. burnettii, indicando contato prévio dos pacientes com a bactéria", conclui.


Ver mais notícias sobre os temas:

Infecções

Bactérias

Sistema Respiratório

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.