Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/02/2015

Genes da longevidade aumentam apenas vida não saudável

Redação do Diário da Saúde
Genes da longevidade aumentam apenas vida não saudável
A pequena lombriga Caenorhabditis elegans também já serviu para demonstrar a utilidade de mecanismos que aumentam a longevidade sem apelar para a genética, usando simplesmente uma dieta de baixa ingestão calórica.[Imagem: MPI for Biology of Ageing]

Longevidade sem saúde

O organismo preferido pelos cientistas como modelo para estudar o envelhecimento é o verme C. elegans, juntamente com as moscas da fruta e as leveduras.

Isto porque, tendo um ciclo de vida curto, esses animais permitem o estudo de um grande número de variáveis influenciando o tempo de vida de um grande número de gerações.

Uma das técnicas preferidas pelos cientistas para aumentar o tempo de vida dos animais tem sido a busca por genes que possam influir sobre a longevidade.

Contudo, uma equipe norte-americana agora descobriu que os vermes alterados geneticamente para viverem mais gastam a maior parte do seu tempo extra de vida em um estado frágil, com menos saúde e menor nível de atividade do que seus parentes sem alterações genéticas.

"Saudidade"

Os resultados indicam que os genes que aumentam a longevidade não aumentam a vida saudável, e apontam para a necessidade de uma forma de mensurar a saúde dos animais como parte dos estudos de envelhecimento daqui para frente.

"Nosso estudo revela que, se quisermos encontrar genes que nos ajudem a manter-nos fisicamente ativos à medida que envelhecemos, genes que nos permitam jogar tênis aos 70 como se tivéssemos 40, então temos de olhar para além da longevidade, que não pode ser o critério único. Temos que começar a olhar para novos genes que possam desempenhar um papel em uma 'saudidade'," disse o Dr. Heidi Tissenbaum, da Universidade de Massachusetts (EUA).

O Dr. Tissenbaum destaca que, por várias razões, a maioria dos estudos examinam os animais modelo de forma criteriosa apenas enquanto eles ainda são relativamente jovens, negligenciando um exame mais acurado perto da última parte da sua vida.

Longevidade e saúde

Segundo o pesquisador, os resultados contestam a suposição de que a longevidade e a saúde estejam intrinsecamente ligadas.

"O que isto significa é que os nematoides mutantes vivem mais tempo, mas a maior parte desse tempo extra não representa tempo saudável para o verme," disse Tissenbaum. "Embora vejamos alguma extensão em saúde em determinadas características conforme os mutantes envelhecem, invariavelmente a contrapartida é um longo período de fragilidade e de inatividade para o animal. Na verdade, como porcentagem do tempo total de vida, os vermes de tipo selvagem passam mais tempo em um estado saudável do que os mutantes de vida longa".


Ver mais notícias sobre os temas:

Qualidade de Vida

Terceira Idade

Genética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?