Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/11/2011

Cientistas constroem glândula pituitária em laboratório

Redação do Diário da Saúde
Cientistas constroem glândula pituitária em laboratório
Os cientistas afirmam que este é um passo decisivo rumo à criação de outros órgãos mais complexos, incluindo coração e rins.[Imagem: Yoshiki Sasai/RIKEN]

Pituitária artificial

Em um feito histórico, cientistas japoneses criaram uma glândula pituitária artificial.

Implantado em um camundongo, o órgão artificial cumpriu adequadamente suas funções.

Os cientistas afirmam que este é um passo decisivo rumo à criação de outros órgãos mais complexos, incluindo coração e rins, ainda que a glândula criada em laboratório ainda não cumpra todas as funções de uma glândula natural.

Pituitária, ou hipófise

A glândula pituitária, ou hipófise, é uma verdadeira fábrica de hormônios.

As respostas ao estresse, o uso de energia pelo corpo, o crescimento do indivíduo e até o comportamento sexual são regulados por sinais que se originam nessa glândula.

A hipófise tem o tamanho de uma ervilha e está localizada próxima à base do crânio.

Glândula parcial

Yoshiki Sasai e seus colegas do Instituto Riken usaram células-tronco embrionárias de camundongos para formar a parte anterior da glândula pituitária.

Quando implantada em um camundongo, a glândula "artificial", ou sintética, produziu o hormônio do estresse, chamado corticotropina.

A pituitária natural possui células de diversos tipos, capazes de produzir vários tipos de hormônios.

Receita de glândula

A criação da glândula sintética exigiu o desenvolvimento de dois tipos de tecidos ao mesmo tempo.

As células-tronco de camundongo primeiro foram usadas para criar um tipo de tecido chamado ectoderma, que é o precursor do sistema nervoso.

Elas também formaram um tipo de tecido que aparece no hipotálamo, uma região do cérebro que fica próximo à hipófise e está envolvido na regulação da temperatura corporal, da fome e da sede.

Os dois tipos de tecidos se organizaram espontaneamente em camadas, com o tecido do hipotálamo por baixo e o ectoderma por cima.

Conforme as células do ectoderma se multiplicavam, essa camada se tornou mais espessa e começou a "abraçar" o conjunto todo, formando uma espécie de bolsa.

Finalmente, as células produtoras do hormônio corticotropina começaram a se desenvolver ao redor da bolsa, criando a glândula pituitária.

Os cientistas alertam que não compreendem ainda o processo de formação da bolsa, um processo não-induzido, que ocorreu espontaneamente.

Transplante de pituitária

Transplantes da glândula pituitária em seres humanos não são exatamente promissores porque os hormônios que ela produz já estão disponíveis na forma de medicamentos, o que é muito menos arriscado do que uma tentativa de transplante em uma região tão delicada.

Contudo, a pesquisa é promissora ao apontar para a possibilidade real de construção de órgãos completos em laboratório, um dos grandes objetivos da chamada biologia sintética.


Ver mais notícias sobre os temas:

Células-tronco

Transplantes

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?