Histórico familiar não afeta cura do câncer de mama

Risco genético

Depois do alvoroço causado pelo episódio no qual a atriz Angelina Jolie anunciou a retirada dos seios para escapar de seu risco genético do câncer, vários médicos e pesquisadores vieram a público esclarecer que a mutação genética não é tudo e que nem todas as mulheres que possuem essas mutações desenvolvem a doença.

Agora surgiu mais uma notícia tranquilizadora para as mulheres, sobretudo para aquelas que já tiveram casos na família.

Pesquisadores britânicos anunciaram que, mesmo se uma mulher for diagnosticada com câncer de mama, e tiver um forte histórico familiar da doença, isto não piora o seu prognóstico.

Em outras palavras, ainda que genes herdados aumentem a probabilidade de desenvolver o câncer de mama, essa alteração genética não torna a doença mais difícil de ser tratada com êxito.

Em seu artigo, publicado no British Journal of Surgery, os especialistas afirmam que a descoberta traz mais segurança às mulheres com esse risco hereditário.

Resultados igualmente promissores

Os pesquisadores analisaram os resultados dos tratamentos de quase 3.000 mulheres jovens com câncer de mama.

Todas as mulheres no estudo desenvolveram o câncer antes dos 41 anos de idade. Cerca de dois terços delas não tinham histórico familiar da doença, enquanto o terço restante tinham casos anteriores na família.

Depois de analisar o crescimento dos tumores e sua resposta ao tratamento tradicional, a equipe constatou que não houve diferença entre os dois grupos de mulheres em termos de quantas vezes o câncer voltou ou se espalhou pelo corpo.

Esta conclusão se manteve mesmo quando os pesquisadores classificaram os tipos de câncer em tipos de tratamento - aqueles que podiam e que não podiam ser tratados com terapia hormonal.

"O sucesso do tratamento para o câncer de mama é igualmente promissor em pacientes jovens com histórico familiar de câncer de mama, como naquelas sem história familiar. As pacientes com histórico familiar de câncer de mama, portanto, podem estar certas de que sua história familiar sozinha não significa que seu resultado será pior," disse o líder do estudo, professor Ramsey Cutress, da Universidade de Southampton.

Autoexame do câncer de mama

A maioria dos nódulos da mama não são cancerosos, mas é melhor checar se você notar qualquer uma das seguintes anomalias:

  • um nódulo ou área de tecido mais espesso na mama;
  • uma alteração no tamanho ou na forma de um ou de ambos os seios;
  • liberação de líquido pelos mamilos;
  • um caroço ou inchaço na axila;
  • ondulações ou afundamentos na pele da mama;
  • erupção cutânea no mamilo ou em torno dele;
  • alteração no aspecto do mamilo, como um afundamento persistente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Câncer

Amamentação

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.