Homens modestos e mulheres dominadoras não agradam na entrevista de emprego

Era dos machões

Já se vão mais de 30 anos desde que a banda Village People fez sucesso cantando "Macho Man".

Mas será que aquela mensagem, tão cantada na Era Disco, continua válida para o homem do século 21? Será que ele ainda tem que ser um homem macho? Haveria penalidades por não ser macho o suficiente?

Para descobrir, Corinne Moss-Racusin e seus colegas, todos psicólogos da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, decidiram estudar as consequências para os homens (e para as mulheres) quando eles atuam de forma modesta nas entrevistas de emprego.

Segundo Moss-Racusin, os candidatos nas entrevistas encenadas foram julgados igualmente competentes, mas os homens "modestos" agradaram menos, um sinal de retrocesso social.

Modéstia masculina

A modéstia foi vista como um sinal de fraqueza, uma característica pessoal de baixo nível para homens, que os fez serem considerados de status inferior - algo que afetou negativamente sua imagem sobretudo quando as entrevistadoras eram mulheres.

A modéstia das mulheres, no entanto, não foi vista negativamente pelos entrevistadores e nem foi associada com qualquer nível de status.

"Para homens e para mulheres, há coisas que eles devem ser e há coisa que eles não devem ser," diz a psicóloga. "As mulheres devem ser sociáveis e orientadas para o outro, mas não devem ser dominantes. Historicamente e em várias culturas, os homens têm sido estereotipados como mais ativos, ou seja, mais independentes e autocentrados do que as mulheres."

No estudo, 132 mulheres e 100 homens - todos estudantes voluntários - viram entrevistas de emprego gravadas em vídeo, feitas com homens e com mulheres. Todos os candidatos eram atores ensaiados e pagos para atuar de maneira similar, dando respostas catalogadas ou não como "modestas", para vagas que aceitavam homens e mulheres, mas que exigiam fortes habilidades técnicas e habilidades sociais.

Os investigadores procuraram determinar qual estereótipo de gênero traria prejuízo para homens e para mulheres.

Estereótipos dos sexos

"As mulheres podem ser fracas, enquanto esta característica é fortemente proibida para os homens," conta Moss-Racusin.

"Por outro lado, um comportamento dominante é reservado para os homens e proibido para as mulheres. Assim, os estereótipos de gênero são compostos por conjuntos de regras e expectativas quanto ao comportamento de ambos os sexos consistindo em 'deve' e 'não deve' para cada sexo," explica ela.

A previsão dos pesquisadores de que os candidatos modestos do sexo masculino teriam de enfrentar a discriminação na contratação, contudo, não foi apoiada pelos experimentos: eles agradaram menos, mas acabaram contratados.

Os pesquisadores especulam que isto pode se dar porque o status dos homens é maior do que o das mulheres. Assim, os homens "mais mansos" ganham com o benefício da dúvida e são menos propensos a enfrentar a discriminação na contratação do que as mulheres dominadoras, estas sim, fortemente discriminadas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Trabalho e Emprego

Gênero

Sexualidade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.