Idosos podem estar usando medicamentos em excesso

Idosos podem estar usando medicamentos em excesso
O estudo mostra uma busca da recuperação ou manutenção da saúde apenas por meio de medicamentos, em detrimento de medidas não farmacológicas, como melhor alimentação e exercícios físicos.
[Imagem: Fiocruz]

Saúde como objeto de consumo

Cerca de 83% dos idosos brasileiros usam medicamentos regularmente.

As drogas mais utilizadas estão associadas a tratamento do sistema cardiovascular.

A conclusão é de um estudo feito por pesquisadores das universidades federais de Minas Gerais (UFMG) e de Viçosa (UFV) e da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) .

"No Brasil, a utilização de grande número de medicamentos é amplamente observada entre indivíduos com 60 anos ou mais. Além dos fatores clínicos que fazem com que idosos necessitem de farmacoterapia, outros fatores podem estar associados ao uso demasiado de medicamentos, sendo um dos principais a ideia impregnada na sociedade de que a única possibilidade de se ter saúde é consumir saúde," afirmam os pesquisadores.

Gosto por remédios

"O vasto arsenal terapêutico disponível no mercado brasileiro, assim como o valor simbólico do medicamento, podem contribuir para o uso excessivo desses produtos, sem que se leve em consideração suas possíveis consequências negativas.

"Contribui ainda para essa situação de busca da recuperação da saúde por meio de medicamentos, em detrimento de medidas não farmacológicas. Um exemplo é o consumo expressivo de vitaminas e suplementos minerais, cuja relação risco/benefício ainda não é em estabelecida," diz o estudo.

Por exemplo, estudos recentes mostraram que, enquanto a ingestão de cálcio de forma normal, através da dieta alimentar normal, traz inúmeros benefícios à saúde, a ingestão do cálcio na forma de suplementos pode ter efeito oposto ao desejado.

Polifarmácia

A pesquisa também apontou que 35,4% dos entrevistados utilizam diversos medicamentos (polifarmácia), sendo a incidência dessa prática ainda maior com a idade.

No grupo de 60 a 69 anos, 28,3% dos idosos relataram o uso de mais de um remédio, enquanto entre os maiores de 70 anos, o percentual subiu para 42,7%.

A polifarmácia ocorreu em mais de um terço dos participantes e a média de utilização de remédios por pessoa ficou entre dois a cinco.

A maior parte dos tratamentos, em todas as faixas etárias, visava combater doenças pertencentes ao sistema cardiovascular e nervoso, e enfermidades relacionadas ao metabolismo (alimentares).

Outro resultado indicado pelo estudo foi que as mulheres utilizaram mais medicamentos que os homens.

Segundo os pesquisadores, isso poderia se explicar pelo predomínio do sexo feminino em idades mais avançadas no Brasil e no mundo.

Outro dado relevante é que mais da metade dos participantes da pesquisa não tinha o curso primário completo. "A baixa escolaridade influi na compreensão e cumprimento da prescrição, podendo resultar em troca de medicamentos e outros erros na sua utilização", explica o estudo.

Racionalização no uso dos medicamentos

De acordo com os pesquisadores, o estudo evidencia a necessidade de aprimoramento da assistência farmacêutica para esse subgrupo da população.

"A partir do conhecimento dos fatores que se mostram associados ao uso de medicamentos, espera-se contribuir para a elaboração de políticas públicas direcionadas ao bem-estar desse grupo populacional, que visem à adequação da assistência farmacêutica às suas reais necessidades, promovendo desta forma a racionalização do uso de medicamentos e, consequentemente, a otimização da terapêutica", conclui a equipe.


Ver mais notícias sobre os temas:

Terceira Idade

Prevenção

Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.