Cientistas começam a ligar os pontos do Mal de Parkinson

Mal de Parkinson: cientistas começam a ligar os pontos
A descoberta é uma espécie de "caminho do meio" entre a explicação da doença por questões estritamente fisiológicas, como os genes, e a avaliação de que fatores ambientais possam ser importantes indutores de alterações dessa fisiologia. A foto é uma simul
[Imagem: Argonne Lab]

Fatores para o Mal de Parkinson

Pesquisadores alemães descobriram que três fatores precisam coincidir para que a doença neurodegenerativa conhecida como Mal de Parkinson possa se desenvolver.

Os resultados, publicados na revista PLoS Biology, são um passo importante na compreensão das causas dessa doença debilitante e até hoje sem tratamento eficaz.

Com o envelhecimento da população mundial, torna-se imperativo que os mecanismos das doenças degenerativas, como o Mal de Parkinson, que normalmente se desenvolve entre 45 e 60 anos de idade, sejam descobertos ou, no mínimo, melhor compreendidos.

O que é Mal de Parkinson

O Mal de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central (SNC) e afeta mais de 6 milhões de pessoas no mundo todo, com este número apresentando uma tendência de crescimento.

O Mal de Parkinson afeta as habilidades motoras, de fala, controle muscular, movimento e equilíbrio. Os pacientes acometidos pela doença muitas vezes tremem e são incapazes de controlar os movimentos de seus membros.

A variedade de sintomas e condições tem levado os cientistas a concluírem que talvez o Mal de Parkinson não seja uma doença única. Outra pesquisa mostrou que o Mal de Parkinson pode não se originar no cérebro, apenas migrando para lá depois de se desenvolver em outras partes do organismo.

Neurotransmissor

Mas o modelo teórico mais aceito atualmente afirma que o Mal Parkinson se desenvolve como resultado de uma redução na atividade do neurotransmissor dopamina no cérebro.

Apesar de anos de pesquisa extensiva, no entanto, os cientistas ainda não conseguiram descobrir o que provoca as alterações moleculares que causam essa redução.

Vários avanços têm ocorrido na pesquisa do Mal Parkinson ao longo dos últimos 10 anos, incluindo a identificação de vários genes envolvidos no desenvolvimento da forma hereditária da doença.

Outra pesquisa mostrou que os fatores de crescimento das células nervosas, como o GDNF (fator neurotrófico derivado das células gliais), reduzem o ritmo de destruição das células nervosas na parte do cérebro afetada pelo Parkinson.

Por outro lado, pesquisas recentes com o transplante de células-tronco no cérebro para tratamento do Mal de Parkinson mostraram que as células implantadas acabaram também sendo afetadas pela doença.

Condições para o Mal de Parkinson

O avanço da equipe alemã ocorreu quando eles descobriram que, em modelos animais, a morte celular na substância negra (o mesencéfalo) ocorre quando três fatores particulares estão presentes:

  1. um gene da doença com problemas (o gene DJ-1);
  2. uma deficiência na resposta ao fator de crescimento, e
  3. o envelhecimento do animal.

"Embora já tivéssemos um pressentimento de que isto poderia estar acontecendo, nós não tínhamos nenhuma prova real até agora," disse o Dr. Aron Liviu, do Instituto Max Planck de Neurobiologia, que é primeiro autor do estudo.

Fisiologia versus comportamento

A descoberta é uma espécie de "caminho do meio" entre a tendência majoritária da ciência em explicar a doença por questões estritamente fisiológicas, como os genes, e a avaliação de que fatores ambientais - cultura, modo de vida, personalidade etc. - possam ser importantes indutores de alterações dessa fisiologia.

"A descoberta da conexão entre a resposta a um fator de crescimento e o gene DJ-1 é extremamente interessante," acrescentou o professor Rüdiger Klein, também do Max Planck Institute. "Os fatores ambientais influenciam a oferta de fatores de crescimento e suas interações com fatores genéticos podem ajudar-nos a compreender melhor a doença de Parkinson."


Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Terceira Idade

Sistema Nervoso

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.