Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/11/2013

Material artificial trata depressão usando magnetismo

Redação do Diário da Saúde
Material artificial trata depressão usando magnetismo
A simplicidade e a dimensão do metamaterial poderão baratear e simplificar o uso da estimulação magnética transcraniana. [Imagem: Joseph Xu]

A estimulação magnética transcraniana é uma técnica de estimulação do cérebro que vem sendo usada em diversas terapias.

Além de tratar casos difíceis de depressão, ela pode ajudar no diagnóstico de demências, acelerar o aprendizado e até melhorar a visão.

Foi por meio da estimulação magnética transcraniana que, há poucos dias, um pesquisador controlou os movimentos de seu colega através do pensamento.

Agora, essas técnicas poderão ir ainda mais fundo no cérebro e se tornarem mais seletivas, graças a um material artificial, chamado metamaterial, que manipula ondas eletromagnéticas de uma forma controlada.

O material é composto por uma matriz de 64 bobinas metálicas circulares. O conjunto permite focalizar alvos no cérebro duas vezes mais profundamente do que os aparelhos atuais, e sem causar dor.

As bobinas criam um campo magnético flutuante que gera um fraco campo elétrico que pode viajar através do couro cabeludo e do crânio de forma não invasiva.

O campo elétrico ativa os neurônios em partes específicas do cérebro, um órgão que pode ser visto com uma complexa rede elétrica.

Fonte única de energia

Exatamente como o processo elimina a depressão é algo ainda não bem compreendido pelos médicos.

O fato é que a estimulação magnética transcraniana tende a reduzir os sintomas em cerca de metade dos pacientes que não respondem aos antidepressivos.

Usando o novo metamaterial, Luis Hernandez-Garcia e seus colegas da Universidade de Michigan (EUA) conseguiram focalizar pontos no cérebro em profundidades de até 2,4 centímetros, excitando um volume do cérebro 2,6 vezes menor.

O protótipo também é muito mais simples e barato, necessitando apenas de uma fonte de energia, em vez de 64 fontes, uma para cada bobina, como seria o caso na tecnologia atual.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Meditação

Comportamento

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão