Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/07/2012

Estamos dando "drogas lícitas" às nossas crianças, alertam especialistas

Com informações da Agência Brasil

Atenção das autoridades

A discussão das chamadas "doenças inventadas", criadas pela chamada medicalização, chegou à Câmara dos Deputados, em Brasília.

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados discutiu sobretudo o uso excessivo de remédios por crianças e adolescentes com dificuldades de aprendizado ou de comportamento na escola, que tem transformado o modo de ser de algumas crianças em doença.

A reunião marcou o início da campanha Não à Medicalização da Vida, lançada pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) e pelo Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade.

Medicalização

De acordo com a conselheira do CFP, Marilene Proença, medicalização é todo tratamento de processos ou comportamentos sociais e culturais em crianças, adolescentes ou adultos com quadro de patologia psiquiátrica.

O debate realizado na Câmara dos Deputados concentrou-se nos tratamentos de distúrbios relacionados à educação - como dislexia, déficit de atenção e hiperatividade.

"Existe uma métrica social que considera sentimentos e comportamentos legítimos como sintomas patológicos. Muitas vezes, esses casos são tratados com os chamados tarja preta, que têm sérias sequelas", explicou Marilene.

Para a conselheira, há muito alarde em relação a drogas ilícitas, mas pouco em relação às drogas lícitas.

Em 2000, eram consumidas 70 mil caixas de medicamentos para o tratamento de distúrbios relacionados à aprendizagem. Em 2010, o número cresceu para 2 milhões, o que faz do Brasil o segundo maior consumidor desse tipo de remédio, apenas atrás dos Estados Unidos.

"Em vez de melhorarem a qualidade da escola, estão criando instâncias de diagnóstico para crianças que têm dificuldade de aprendizado. Não podemos passar às crianças responsabilidades políticas, sociais e culturais da sociedade em geral", disse a conselheira do CFP.

Amplificadores cognitivos

Segundo a professora Maria Aparecida Moisés, da Universidade de Campinas (Unicamp), substâncias que vêm sendo usadas como "amplificadores cognitivos" - como o metilfenidato (nome comercial: Ritalina) e o clonazepam (nome comercial: Rivotril) - não são drogas seguras.

"São psicotrópicos e tranquilizantes que podem provocar morte súbita e inexplicada até sete vezes mais do que em crianças e adolescentes que não os tomam", alertou Maria Aparecida.

Para ela, em vez de se discutir a vida e os valores da sociedade, há uma inversão que faz com que todos acreditem que têm transtornos a serem tratados.

"Precisamos adotar uma política educacional que assuma o princípio fundamental de que todos podem e têm o direito de aprender. Um professor é capaz de ensinar toda pessoa a quem se propuser.

"A medicina fala de impossibilidades. A escola fala de possibilidades. E a escola foi invadida por profissionais de outras áreas, como neuropsicólogos, fonoaudiólogos, psicólogos e psiquiatras. Isso não é escola, mas uma invasão do mercado de trabalho," disse a professora da Unicamp.


Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Educação

Neurociências

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?