Identificado novo fármaco para tratamento da obesidade

Agonista seletivo

Uma pesquisa do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP concluiu que o GC-24, um fármaco chamado de agonista seletivo, pode ser útil como medicamento para tratar obesidade sem acarretar problemas cardíacos, como taquicardia.

O fármaco, com uma composição semelhante à do hormônio tireoidiano (T3), atua no organismo ao se vincular com o receptor Beta deste hormônio e assim contribui para perda de peso.

O hormônio T3 precisa de dois receptores para exercer suas funções: o Alfa e o Beta.

"Eles funcionam como uma fechadura para a chave, que seria o hormônio", elucida a bióloga Beatriz de Souza Amorim, autora do estudo. Entretanto, ao se ligar aos dois tipos de receptores, efeitos indesejados podem ocorrer, como o enfraquecimento da musculatura.

Sem efeitos colaterais

O GC-24, diferentemente do hormônio, ao se vincular apenas ao receptor Beta, torna possível diferenciar os efeitos benéficos dos maléficos e assim isolar uns dos outros.

"Isso permite, no futuro, a criação de medicamentos que só terão os efeitos positivos e não os negativos, como diminuir a gordura sem diminuir musculatura", pondera Beatriz.

O estudo também constatou que o fármaco, quando mediado apenas pelo receptor Beta, possui efeitos importantes para pessoas com excesso de peso pois age na elevação da taxa metabólica.

"O aumento da taxa significa mais gasto de energia e se eu gasto mais, eu queimo mais gordura e, então, perco peso", explica Beatriz. Além disso, foi observado que, por meio do GC-24 não houve efeitos indesejáveis sobre o coração, osso ou músculo-esquelético.

Resistência à insulina

Outro resultado relevante constatado pela pesquisa se refere aos níveis de glicose no sangue. Foi observado que o GC-24 pode ser útil no tratamento de pessoas com resistência à insulina.

"Obesos geralmente têm níveis aumentados de glicose. O GC-24 não causa esse aumento", destaca Beatriz, que ressalta: "O agonista pode ser útil como medicamento, mas a pesquisa analisou apenas alguns parâmetros. Para comprovar a total eficácia mais pesquisas devem acontecer e outros parâmetros, como o efeito sobre os rins, devem ser estudados."

A pesquisa, intitulada Papel do TR Beta na termogênese induzida pela dieta, faz parte de um projeto de pesquisa maior, chamado "Laboratório de Metabolismo Energético", do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Presbiteriana Mackenzie. O trabalho foi orientado pela professora Cecilia Helena de Azevedo Gouveia Ferreira, do Departamento de Anatomia do ICB.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Obesidade

Dietas e Emagrecimento

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.