Metade das crianças que nascem hoje chegará aos 100 anos de idade

Metade das crianças que nascem hoje chegará aos 100 anos de idade
Mais da metade das crianças nascidas em países ricos desde o ano 2000 chegará aos cem anos, caso a tendência de aumento da expectativa de vida atual continue.
[Imagem: Benjamin Gimmel/Wikimedia]

Crianças de países ricos

Mais de metade das crianças nascidas em países ricos desde o ano 2000 chegará aos cem anos, caso a tendência de aumento da expectativa de vida atual continue, segundo um estudo publicado na revista científica Lancet.

A pesquisa, feita no Centro de Pesquisa sobre o Envelhecimento da Universidade do Sul da Dinamarca, analisou dados de 30 países que mostram que a expectativa de vida vem crescendo desde 1840 e que não há sinais de interrupção na tendência.

De acordo com o estudo, em 1950, a probabilidade de se viver até os 80 ou 90 anos era de 15% para mulheres e de 12% para homens. Em 2002, esses valores aumentaram para 37% e 25%, respectivamente.

"Se a expectativa de vida estivesse chegando a um limite, alguma desaceleração do progresso provavelmente ocorreria", disse Kaare Christensen, que liderou o estudo.

Vivendo mais e melhor

Os dados levantados pelos pesquisadores sugerem ainda que, além de viver mais, também se viverá melhor, com menos problemas físicos e menos limitações.

De acordo com o estudo, entre 30% e 40% das pessoas que vivem dos 92 aos cem anos são independentes.

Os dados corroboram os resultados de um estudo realizado nos Estados Unidos com idosos acima dos cem anos.

Uma pesquisa com pessoas com idades entre 110 e 119 anos indicou que, mesmo na idade avançada, 40% eram independentes ou precisavam de pouca ajuda para realizar atividades como comer, tomar banho, trocar de roupas, entre outras.

Limitações e deficiências físicas

Segundo Christensen, há uma tendência de adiamento nas limitações e deficiências físicas causadas por saúde precária, apesar do aumento no número de doenças crônicas.

O pesquisador afirma que isso se deve, principalmente, aos diagnósticos precoces e tratamentos aprimorados, que reduzem o impacto de algumas doenças.

O presidente da Faculdade de Saúde Pública da Grã-Bretanha, Alan Maryon-Davis, afirmou que os resultados ressaltam a importância da prevenção.

"Você pode questionar as previsões, mas o que importa é que a prevenção realmente é melhor do que a cura", disse.

"Não estamos adicionando anos às nossas vidas, mas, sim, vidas aos nossos anos", afirmou Maryon-Davis.


Ver mais notícias sobre os temas:

Qualidade de Vida

Terceira Idade

Rejuvenescimento

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.