Novo tipo de medicamento recruta defesas do corpo para combater doenças

Moléculas recrutadoras de anticorpos

Cansados dos remédios tradicionais e seus efeitos colaterais, cientistas agora estão apostando em uma nova estratégia.

Eles estão desenvolvendo medicamentos não para atacar diretamente as doenças, mas para recrutar as proteínas presentes naturalmente no corpo, e orientá-las para que elas ataquem infecções, cânceres e uma série de outras doenças.

David Spiegel, da Universidade de Yale (EUA), é um dos maiores defensores dessa linha de pesquisas, chamada "moléculas recrutadoras de anticorpos".

Segundo ele, que lidera uma grande equipe trabalhando exclusivamente nessa área, a abordagem é uma resposta para o sonho antigo e aparentemente impossível de encontrar curas definitivas para uma grande variedade doenças.

Anticorpos

Os anticorpos são componentes do sistema imunológico que se agarram a micróbios e outros materiais estranhos no corpo, marcando-os para destruição.

"Os anticorpos têm sido drogas maravilhosas para doenças autoimunes e câncer," explica Spiegel. "Mas, tal como outros medicamentos à base de proteínas, eles não podem ser administrados na forma de pílulas, devendo ser injetados. Eles também apresentam risco de vida devido a reações alérgicas ou imunológicas."

"Nós estamos desenvolvendo uma alternativa - medicamentos recrutadores de anticorpos que podem ser tomados por via oral, induzindo os anticorpos do próprio paciente a combater a doença. Eles podem ser mais baratos e mais fáceis de produzir. Nós esperamos que seja o ponto de partida em direção a abordagens inteiramente novas para o tratamento de uma vasta gama de doenças."

Todos temos numerosos anticorpos circulando no sangue, cada um programado pelo sistema imunológico para se atracar e marcar para destruição bactérias específicas, vírus, alérgenos (como o pólen de flores) e outros materiais - denominadas antígenos - que o corpo reconhece como estranhos.

O corpo produz esses anticorpos conforme as pessoas são expostas a micróbios e alérgenos no ambiente - a falta dessa exposição pode tornar a pessoa mais sujeita a doenças, o que é conhecido como a "Hipótese da Higiene"

Corpo contra o HIV

A equipe de Spiegel está usando essa nova estratégia para forçar o sistema imunológico a centrar fogo contra vários cânceres e contra o HIV, o vírus que causa a AIDS.

"Estes medicamentos recrutadores de anticorpos não matam o HIV diretamente," explica Spiegel. "Em vez disso, eles apenas enganam o corpo para que ele alveje o HIV para destruição usando os mecanismos normais do sistema imunológico."

Os medicamentos recrutadores de anticorpos funcionaram bem em camundongos, que são os substitutos dos seres humanos nestes estágios iniciais dos experimentos, e versões contra o HIV estão em andamento.

Spiegel afirma que os recrutadores de anticorpos poderão também ser projetados para tratar outras condições, por exemplo, doenças autoimunes, como a artrite reumatoide.

Defesas contra infecções

Mas há outras formas de incentivar o corpo a atacar as doenças com suas próprias armas.

A equipe está usando uma abordagem diferente contra as infecções causadas por estafilococos.

A técnica envolve enganar as bactérias, fazendo algo como "pintar" nelas uma marca, que sinaliza para o sistema imunológico para atacá-las.

É a primeira vez que os cientistas foram capazes de realmente colocar pequenas moléculas na superfície da Staphylococcus aureus, que está se tornando cada vez mais resistente aos antibióticos tradicionais.

Spiegel afirma que este método também poderá funcionar em outros tipos de bactérias, como as Streptococcus, micróbios que causam pneumonia e infecções na garganta.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Sistema Imunológico

Vírus

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.