Mudanças climáticas afetarão mais os mais pobres

Mudanças climáticas afetarão mais os mais pobres
Diretora executiva do IPCC, Kristie Ebi aponta por que as mudanças climáticas globais deverão ter impacto muito maior sobre as regiões mais pobres do mundo, exacerbando as principais causas de mortalidade infantil.
[Imagem: NIH]

Mais para os pobres

As mudanças climáticas são um fenômeno global, mas seus impactos sobre a saúde humana deverão ser muito maiores nas regiões mais pobres do mundo, de acordo com a norte-americana Kristie Ebi, diretora executiva do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Para a cientista, responsável pelo capítulo sobre saúde humana do quarto relatório do IPCC, o aquecimento global deverá expandir as áreas de alcance dos problemas que causam a maior parte das mortes infantis no mundo: desnutrição, malária e diarreia. Os impactos da mudança climática sobre a saúde estariam fortemente vinculados à pobreza, aponta.

Da mesma maneira que faltam recursos para pesquisas sobre as chamadas doenças negligenciadas - que serão especialmente exacerbadas pela mudança do clima -, segundo ela faltam também recursos para a pesquisa sobre o impacto do aquecimento global sobre a saúde.

Biografia

Epidemiologista por formação, Kris, como é mais conhecida, já publicou mais de 80 artigos científicos, ao longo de 25 anos de experiência multidisciplinar em questões ambientais. Nos últimos 12 anos vem coordenando estudos sobre os impactos das mudanças climáticas sobre a saúde humana.

A cientista - que hoje vive em Alexandria, nas proximidades de Washington, nos Estados Unidos, onde é consultora independente sobre mudanças climáticas - participou, em novembro, do encontro internacional "Impacto, adaptação e vulnerabilidades nas mudanças climáticas globais", promovido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Kris também é autora do livro Integração entre Saúde Pública e adaptação à mudança climática: lições aprendidas e novas direções e é uma das coordenadoras da publicação Métodos de avaliação da vulnerabilidade da saúde humana e adaptação da saúde pública à mudança climática, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quais são as particularidades dos impactos das mudanças climáticas sobre a saúde nos países em desenvolvimento?

Kris Ebi - Os países em desenvolvimento são a principal preocupação em relação à mudança climática e saúde. A maior parte dos impactos que temos previsto será causado pela desnutrição, pela malária e por doenças diarreicas - problemas concentrados nesses países. Hoje, esses três fatores estão entre as principais causas de mortalidade infantil no mundo.

Cerca de 85% dos impactos das mudanças climáticas atingem crianças de até cinco anos. Nessas regiões, a capacidade para lidar com esses problemas já é muito limitada. Os estudos sugerem que essas doenças serão uma questão a mais para enfrentar. A má nutrição, especialmente, é um problema crucial para esses países. E as mudanças climáticas, com certeza, poderão exacerbá-lo.

Então os problemas são os mesmos que já existem e o principal impacto é que a situação ainda vai piorar?

Kris Ebi - Pode piorar a ponto de fugir completamente do controle. Muitos modelos climáticos sugerem que haverá uma mudança na duração das estações - como a primavera chegando mais cedo, por exemplo - causando impacto na temperatura. Mais gente será atingida por esses problemas, já graves e certamente ficará mais difícil lidar com eles.

Em geral, conforme diminui a latitude, aumenta o número de mortes infantis. Todo ano temos cerca de 2 milhões de crianças mortas por diarreia e 1 milhão por malária. Os estudos também indicam possibilidade de agravamento de casos de cólera, meningite meningocócica, dengue hemorrágica, doença de Chagas, febre amarela, encenfalite, leishmaniose e vírus do Nilo ocidental.

As áreas em que essas doenças têm maior impacto vão se expandir?

Kris Ebi - As áreas onde vemos esses problemas poderão se expandir, aumentando o alcance regional de doenças como a malária. Assim como poderão se expandir as áreas nas quais estão os vetores (os mosquitos). Já há evidências desses impactos: além da distribuição alterada de vetores, temos uma distribuição sazonal alterada de algumas espécies polinizadoras e um risco maior de mortes por ondas de calor.

Como esse aumento do alcance regional mudará o cenário para a malária?

Kris Ebi - A principal preocupação em relação à malária é a África, onde ocorre a maior parte dos casos. Com temperaturas mais altas e com mudanças nos padrões de precipitação, o mosquito anófeles, que é o vetor que transmite a doença, poderá começar a aparecer em terras mais altas, por exemplo, em que há grandes concentrações de população. Com isso, mais gente vai ficar exposta à doença.

Vários dos impactos sobre a saúde que a senhora mencionou correspondem à exacerbação de doenças negligenciadas. Há uma correlação entre esses impactos e a baixa renda?

Kris Ebi - Sim, o problema do impacto na saúde coincide basicamente com o problema da pobreza. A desnutrição está ligada a cerca de 50% dos 10,5 milhões de crianças mortas todos os anos.

A mudança climática vai exacerbar esse problema, já que a elevação da temperatura deverá interferir na disponibilidade de recursos naturais como corpos d'água, condições do solo e umidade. Hoje, em todo o mundo, 12% da mortalidade infantil se deve às doenças diarreicas, que matam cerca de 5 mil crianças todos os dias.

Em vários países de baixa renda, até 26% da mortalidade infantil se deve à diarreia. Sabemos que 88% da diarreia infantil é atribuída à água contaminada, condições sanitárias inadequadas e higiene precária. Com acesso ainda mais restrito à água, é evidente que isso irá se agravar.

Esses problemas também trarão reflexos econômicos para essas regiões já empobrecidas?

Kris Ebi - Avaliamos que em um cenário de 750 partes por milhão de dióxido de carbono na atmosfera em 2030 - um cenário péssimo -, o custo para tratar as doenças relacionadas ao impacto das mudanças climáticas na saúde aumentaria justamente com o crescimento dos problemas. Nesse cenário a diarreia cresceria 3%, a desnutrição 10% e a malária 5%.

Até que ponto é possível prever a magnitude desses impactos, para saber, por exemplo, quantas pessoas a mais serão atingidas? Parece haver infinitas variáveis. Como fazer previsões precisas?

Kris Ebi - Trabalhamos com um sistema composto por modelos muito complexos e existe gente trabalhando intensamente, em várias áreas, para desenvolver novos modelos que nos permitam entender melhor esses impactos sobre a saúde. O que estamos fazendo agora é fundamentalmente tratar de manter a pesquisa constante.

Há prognósticos sobre adaptação às mudanças climáticas em relação aos impactos na saúde?

Kris Ebi - A adaptação à mudança climática não é exatamente um problema a ser resolvido, mas um processo a ser gerenciado. A resposta a esses impactos envolve um processo interativo de gestão do risco que inclui tanto a mitigação como a adaptação.

No caso da saúde, a adaptação inclui a redução da exposição ao risco - com políticas legislativas e alteração nas construções ou no ambiente natural. Inclui também a prevenção de fatores adversos, com sistemas de alerta preventivo, monitoramento e vigilância, programas de controle de vetores e educação pública e divulgação.

Em sua opinião, o IPCC e a comunidade científica em geral estão dando a importância necessária aos impactos sobre a saúde no mundo em desenvolvimento?

Kris Ebi - Sim, os impactos sobre a saúde são de fato uma verdadeira preocupação. Em 2008, a Organização Mundial da Saúde quis concentrar seus esforços em uma questão em particular e escolheu como foco os efeitos adversos das mudanças climáticas sobre a saúde.

A partir daí, foi estabelecida uma agenda de pesquisas que estimulou os estudos na área. O IPCC, sem dúvida, trata a questão com toda a atenção. O grande problema é que, de modo geral, essa ainda não é uma área considerada como prioritária para os investimentos em pesquisa.

Isso está mudando, o que é uma notícia muito boa. Mas ainda não temos fundos suficientes e o número de gente trabalhando nisso ainda não é compatível com a magnitude do problema.

E quanto à pesquisa que está sendo feita? Já há uma massa crítica de estudos ou estamos em fase muito inicial?

Kris Ebi - A principal preocupação em relação às mudanças climáticas e saúde, como eu já disse, corresponde às regiões do mundo onde se concentra a população de baixa renda.

A pesquisa tem sido conduzida por cientistas de países desenvolvidos e, nos últimos anos, tem havido um aumento também dos estudos feitos por pesquisadores dos países em desenvolvimento.

Mas esses estudos ainda não são efetivos porque há muito a fazer. Precisamos de mais gente. A pesquisa sendo feita hoje é, sem dúvida, muito boa em termos de qualidade. Mas precisa ser expandida.

Quais são os principais desafios nessa área de pesquisa?

Kris Ebi - Um deles já foi mencionado: a escassez de recursos. A falta de financiamento deixa as coisas difíceis, porque os pesquisadores precisam de investimento em seus estudos de pós-graduação.

Precisamos também de dinheiro para montar estruturas computacionais capazes de fazer os modelos funcionarem melhor. Fundamentalmente, temos que atrair jovens dispostos a focar seus estudos e sua vida nessa área. Isso é um desafio considerável.

Precisamos mudar o cenário atual, para que as pesquisas sejam levadas de fato às fronteiras do conhecimento. Temos que entender os impactos do clima na saúde em pouco tempo. Isso é crucial, não temos muito tempo para tentar reduzir esses impactos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gestão em Saúde

Infecções

Epidemias

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.