Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/09/2012

Nanotecnologia ajuda a melhorar tratamentos contra a AIDS

Com informações do IPT
Nanotecnologia ajuda a melhorar tratamentos contra a AIDS
O objetivo é converter remédios líquidos em uma forma particulada seca - um pó extremamente fino, cujas partículas são medidas em nanômetros - vistas aqui por meio de um microscópio eletrônico. [Imagem: IPT]

Biodisponibilidade

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo está usando a nanotecnologia para tentar aumentar a eficácia dos antirretrovirais, medicamentos usados no tratamento da AIDS.

O objetivo é converter remédios líquidos em uma forma particulada seca - um pó extremamente fino, cujas partículas são medidas em nanômetros.

Os agentes antirretrovirais costumam apresentar inconvenientes em relação à biodisponibilidade, termo usado em farmacologia para descrever a quantidade e a velocidade na qual o princípio ativo é absorvido e fica disponível para atuação no organismo.

Segundo o engenheiro químico Adriano Marim de Oliveira, responsável pelo projeto no IPT, o maior problema enfrentado pelos medicamentos em estudo é o "ataque" feito pelo suco gástrico do estômago.

"O esperado é o paciente ingerir o medicamento e os ativos serem absorvidos no intestino, chegando à corrente sanguínea e às regiões afetadas", explica o pesquisador. "Porém, a presença de ácido no suco gástrico do estômago acaba por degradar parte deles e impedir sua chegada na totalidade ao intestino".

Polímeros inteligentes

Uma das saídas empregadas pela indústria farmacêutica é a adição de uma solução tampão na composição do medicamento, a fim de minimizar a variação do valor do pH no estômago - mas essa solução aumenta o tamanho dos comprimidos e dificulta a sua ingestão.

Para auxiliar a solucionar o problema, o projeto do IPT está estudando o uso de polímeros "inteligentes", que são sensíveis às variações de acidez e alcalinidade, para encapsular o ativo antirretroviral.

O medicamento é solidificado usando uma tecnologia chamada secagem por aspersão (spray drying).

Os ensaios incluíram estudos com placebo e a análise de seis materiais poliméricos sensíveis a variações de pH, entre polímeros naturais (goma arábica, carboximetilcelulose e alginato) e sintéticos, da família dos acrilatos, todos comumente empregados na indústria farmacêutica.

Zidovudina

Concluída a etapa de ensaios em placebo, os testes se voltaram ao uso de um ativo modelo - uma vitamina B solúvel em água -, que funcionou como um substituto das matérias-primas originais de alto custo usadas no tratamento da doença.

Com o sucesso nessa etapa, a equipe partiu para o trabalho com um medicamento real.

A opção foi pela zidovudina, ou AZT, o mais empregado na fabricação de medicamentos para tratamento da AIDS.

Os pesquisadores esperam que, com a publicação dos seus resultados em revistas científicas, a nova técnica possa chamar a atenção da indústria, para que a nova técnica possa ser usada na prática.


Ver mais notícias sobre os temas:

Nanotecnologia

Medicamentos

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?