Nossa visão do futuro pode deprimir nosso presente

Prospecção

Uma visão pessimista do futuro pode não ser uma consequência da depressão, mas a causa da depressão.

Essa é a conclusão de Ann Marie Roepke e Martin Seligman, da Universidade da Pensilvânia, em um artigo publicado no British Journal of Clinical Psychology.

Os dois pesquisadores realizaram uma revisão da literatura científica sobre a depressão e a "prospecção" - a representação mental que as pessoas fazem sobre como o futuro pode ser.

Eles identificaram três tipos de "prospecção defeituosa", que podem levar à depressão:

  1. falta de capacidade de geração de cenários dos "futuros possíveis";
  2. avaliação ruim dos "futuros possíveis"; e
  3. crenças negativas sobre o futuro.

Futuros mais brilhantes

O humor deprimido, por sua vez, pode atrapalhar e empobrecer a prospecção, alimentando assim um ciclo vicioso, no qual a pessoa mergulha cada vez mais na depressão.

Esta conclusão está em linha com outros estudos, que demonstraram que o otimismo melhora a saúde e faz viver mais.

Os pesquisadores sugerem que a prospecção "defeituosa" pode ser tratada por meio de estratégias da terapia cognitivo-comportamental (TCC), uma forma de "terapia da conversa", que aborda os padrões de pensamento que podem levar a problemas com o humor ou o comportamento.

"Uma compreensão de como a prospecção formata a psicopatologia pode permitir aos pesquisadores criar tratamentos mais eficazes e ajudar os indivíduos em dificuldades a criar futuros mais brilhantes," concluíram os autores em seu artigo.

E, antevendo futuros mais brilhantes, livrar-se das emoções negativas no presente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Depressão

Emoções

Comportamento

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.