Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

22/02/2013

Novo medicamento contra gripe destrói vírus resistentes

Com informações da UBC

Influenza resistente

Uma nova classe de remédios contra a gripe está-se mostrado eficaz contra cepas resistentes do vírus influenza.

A descoberta, feita por uma equipe internacional de cientistas, foi publicada na revista Science Express.

O estudo detalha o desenvolvimento de um novo fármaco - um candidato a medicamento - que impede que o vírus da gripe se propague de uma célula para outra.

A droga tratou com sucesso camundongos com cepas de vírus da gripe letais para os animais.

Quebrando a chave

A fim de se espalhar no organismo, o vírus da gripe primeiro usa uma proteína, chamada hemaglutinina, para se ligar aos receptores das células saudáveis.

Uma vez que ele tenha inserido seu RNA célula e replicado, o vírus usa uma enzima, chamada neuraminidase, para cortar a ligação e passar para a próxima célula saudável.

Novo medicamento contra gripe destrói vírus resistentes
Ciclo de Vida: Esta figura mostra o ciclo de vida do vírus da gripe e como a nova droga contra a gripe evita a propagação do vírus de célula a célula, inibindo irreversivelmente a ação da neuraminidase, que fica como uma chave quebrada presa dentro da fechadura. [Imagem: Tom Wennekes/UBC]

"Nosso fármaco usa a mesma abordagem que os tratamentos atuais contra a gripe - impedir que a neuraminidase corte seus laços com a célula infectada," explica o professor Steve Withers, da Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá).

"Mas o nosso agente agarra esta enzima, que fica como uma chave quebrada presa na fechadura, tornando-se inútil," complementa.

Máquina molecular

"Um dos grandes desafios dos tratamentos atuais contra a gripe é que novas cepas do vírus da gripe estão se tornando resistentes, deixando-nos vulneráveis à próxima pandemia," prosseguiu o pesquisador, cuja equipe inclui cientistas do Canadá, Reino Unido e Austrália.

"Tirando vantagem da 'máquina molecular' do próprio vírus," acrescenta o pesquisador, "o novo medicamento pode permanecer eficaz por mais tempo, já que cepas de vírus resistentes não podem surgir sem destruir o seu próprio mecanismo de infecção."


Ver mais notícias sobre os temas:

Vírus

Desenvolvimento de Medicamentos

Infecções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?