A importância de conhecer a origem dos alimentos

A importância de conhecer a origem dos alimentos
A prática de rastrear e informar ao consumidor dados sobre a origem do produto já existe em diversos países, sobretudo na Europa, mas ainda não há legislação a respeito no Brasil.
[Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil]

Origem dos alimentos

Os consumidores no Brasil têm muito pouco acesso a informações como a região onde o alimento foi produzido, em que condições isso foi feito e quais substâncias foram usadas durante a cadeia produtiva, até chegar ao supermercado.

A prática de rastrear e informar ao consumidor dados sobre a origem dos alimentos já existe em diversos países, sobretudo na Europa.

Por isto, o IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor) está lançando uma campanha nacional para mostrar a importância de que as pessoas conheçam a origem dos alimentos que compram e consomem - e cobrem isso dos supermercados e produtores.

"Saber de onde vêm os alimentos significa saber informações sobre como o alimento foi plantado, se foi ou não usado agrotóxico e se a quantidade usada está dentro do limite estabelecido por lei, saber a distância entre onde o alimento foi produzido e onde está sendo vendido, pois quanto mais próximo, mais fresco e menos poluentes são emitidos no transporte", explica a nutricionista Ana Paula Bortoletto.

De onde vem?

A campanha De onde vem? visa promover a rastreabilidade dos alimentos, uma questão que ainda não foi regulada no Brasil. Algumas redes de supermercados e produtores têm iniciativas próprias para fornecer essas informações. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está discutindo uma regulação desse tipo para o Brasil, mas ainda sem definição das medidas que serão adotadas.

Enquanto isso, o próprio consumidor pode tomar suas precauções.

"O consumidor pode buscar informação no próprio supermercado, pois ele tem que controlar a origem do alimento para, no caso de haver alguma contaminação, identificar facilmente onde está o problema e tirar o produto de circulação. O consumidor pode também cobrar mais informações do supermercado. Além disso, quando vier a público a discussão sobre a regulamentação pela Anvisa, o consumidor poderá apoiar a iniciativa", acrescenta Ana Paula.

O ideal, segundo o IDEC, é que as gôndolas dos supermercados indiquem o produto, a variedade, o centro de distribuição e o produtor, incluindo dados como CPF/CNPJ, endereço, data de produção, lote e se houve uso ou não de agrotóxicos.

Os alimentos orgânicos estão em vantagem nesse quesito, e 56,5% deles já apresentam informações de origem e condições de produção, contra 28,7% dos convencionais.


Ver mais notícias sobre os temas:

Conservação de Alimentos

Consumo Responsável

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.