Paralíticos movem pernas pela 1ª vez com estímulos elétricos

Paralíticos movem pernas pela 1ª vez com estímulos elétricos
Os resultados sugerem que a eletricidade aplicada torna a coluna mais receptiva aos poucos impulsos que ainda chegam à área lesionada, vindas do cérebro.
[Imagem: Universidade de Louisville]

Quatro pacientes com paralisia definitiva conseguiram mover suas pernas pela primeira vez após receber estímulos elétricos na coluna vertebral.

O experimento, realizado por médicos das universidades de Louisville e da Califórnia, nos Estados Unidos, possibilitou que os pacientes flexionassem, além das pernas, os dedos dos pés, tornozelos e joelhos.

A técnica ainda não é capaz de fazer com que eles andem de forma independente, mas pode ser um caminho para isso.

Os resultados sugerem que a eletricidade aplicada torna a coluna mais receptiva aos poucos impulsos que ainda chegam à área lesionada, vindas do cérebro.

Segundo os cientistas, a coluna atua como uma ferrovia de alta velocidade que transporta mensagens elétricas do cérebro até o resto do corpo. Se há danos no trilho, a mensagem se perde.

A equipe responsável pela terapia é a mesma que, em 2011, fez com que um paciente paraplégico recuperasse o movimento com implantes elétricos na espinha.

Agora mais três pacientes, que estão paralíticos há pelo menos dois anos, foram submetidos aos estímulos elétricos e retomaram alguns movimentos.

A experiência confirma que certos movimentos podem ser retomados após a paralisia e que o caso relatado em 2011 não é um caso isolado.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Acidentes

Implantes

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.