Parcerias público-privadas vão nacionalizar produção de 24 medicamentos

Complexo Industrial da Saúde

Serão nove parcerias público-privadas (PPPs), feitas entre sete laboratórios oficiais e 10 empresas privadas, para a produção de 24 fármacos no Brasil que serão utilizados pelos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). A formação das PPPs foi anunciada ontem pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

Com as PPPs, o Ministério da Saúde estima uma economia média por ano de R$ 160 milhões nos gastos com a aquisição dos fármacos. Hoje, o Ministério gasta R$ 800 milhões com a compra direta desses medicamentos.

"É uma medida importante, que confirma todo o esforço de fortalecimento da farmoquímica nacional, ao mesmo tempo em que representa uma economia de recursos, geração de empregos e riqueza", disse o ministro Temporão.

Para ele, as parcerias são mais um passo da política do Complexo Industrial da Saúde, que tem como uma das diretrizes fortalecer no país a pesquisa, inovação e produção do setor.

Medicamentos nacionalizados

Um dos insumos previstos para serem produzidos por meio das PPPs é o Tenofovir, usado por pacientes com HIV. Há ainda medicamentos para asma, tuberculose, hemofilia, transplantes, redução de colesterol e antipsicóticos.

Os fármacos incluídos nas parcerias estão na lista de produtos estratégicos prioritários para o SUS, definidos na Portaria nº 978, publicada em maio de 2008.

Transferência de tecnologia

Todas as parcerias prevêem desde a transferência de tecnologia até o desenvolvimento conjunto de princípios ativos e produtos. Na maioria dos casos, uma farmacêutica ou farmoquímica nacional está envolvida.

O antiretroviral Tenofovir será produzido por meio de duas parcerias: o laboratório Farmanguinhos uniu-se à empresa nacional Globe para produzir metade dos medicamentos, e a outra parte da produção será resultado de associação entre a Nortec Química, Blanver Produção Farmacêutica e Adjuvantes e o laboratório oficial Fundação Ezequiel Dias (Funed).

"A idéia foi não pulverizar a produção em vários laboratórios para que a diminuição da escala de produção não provoque aumento de preços no produto acabado", explica o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da As´due, Reinaldo Guimarães. Atualmente, o Tenofovir é utilizado por cerca de 40 mil pacientes, como alternativa à zidovudina (AZT). O custo médio do tratamento é de US$ 927 por paciente por ano.

Fator VII-a recombinante

Outra droga bastante aguardada pelos pacientes do SUS é o Fator VII-a recombinante. Ele será produzido como resultado de uma associação entre as empresas brasileiras Cristália e a Hemobras. Atualmente, o fator VII-a recombinante usado no Brasil é todo importado do laboratório dinamarquês Novonordisk.

Não é possível precisar quantos pacientes usam o fator VII-A recombinante devido às características inerentes da doença. No ano de 2008 foi feita a primeira compra desse insumo pelo Ministério da Saúde no valor de R$ 44 milhões.

Empresas estrangeiras

Entre as PPPs há também empresas estrangeiras. O laboratório de Farmanguinhos se uniu à argentina Chemo para produzir um medicamento para asma a partir da Budesonida e do Formoterol. Farmanguinhos também irá produzir quatro drogas contra tuberculose em parceria com a indiana Lupin: a canamicina, ciclocerina, etionamida e a última, anunciada recentemente pelo ministro, formada por quatro princípios ativos substituídos por um único medicamento (etambutol, mais isoniazida, pirazinamida e rifampicina).

Outros medicamentos

As PPPs também prevêem a produção de anticoncepcionais de última geração. Essa produção será possível a partir da associação entre Farmanguinhos, Libbs, Stragen Pharma (Suíça) e Biolab. Serão três anticoncepcionais: a ciproterona em associação com o etinilestradiol, o desogestrel e o etinilestradiol.

O Laboratório Químico Farmacêutico do Exército (LFQEX), junto com as empresas Roche e a Nortec, produzirão imunossupressores (micofenolato - mofetila, micofenolato - sódico) utilizados por pacientes transplantados. O Laboratório Químico Farmacêutico da Aeronáutica (LAQFA) vai fabricar, em conjunto com a Libbs, outro imunossupressor, o tacrolimo.

O Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (Lafepe), em parceria com o Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (Nuplam) e a Cristália, vão produzir três antipsicóticos: clozapina, olanzapina e quetiapina (medicamentos excepcionais). Apenas em relação a esses três medicamentos o ministério compra anualmente um total de R$ 220 milhões.

Em fevereiro de 2009, o ministro José Gomes Temporão anunciou a produção do primeiro lote do genérico do Efavirenz, outro antiretroviral, resultado de um consórcio entre o laboratório público da Fiocruz e três laboratórios privados.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gestão em Saúde

Laboratórios

Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.