Brasileiros desenvolvem pés de café naturalmente sem cafeína

Brasileiros desenvolvem pés de café naturalmente sem cafeína
Os cafés descafeinados hoje são produzidos a partir de frutos comuns, tratados quimicamente. Os novos cafeeiros produzem café naturalmente sem cafeína.
[Imagem: IAC]

Descafeinado natural

Em 2004, um grupo de pesquisadores brasileiros anunciou, em artigo publicado na revista Nature, a descoberta de pés de café desprovidos de cafeína.

No entanto, a ideia de explorar comercialmente o café descafeinado natural foi frustrada pela baixa produtividade da planta, proveniente da Etiópia.

Agora, utilizando uma técnica para induzir as sementes à mutação, o mesmo grupo de cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Instituto Agronômico, de Campinas (SP), obteve, a partir de um cafeeiro já utilizado comercialmente, sete plantas mutantes que combinam a produtividade e a ausência de cafeína.

Cafeeiro sem cafeína

Segundo Paulo Mazzafera, coordenador do estudo, o experimento utilizou sementes do cafeeiro comercial Catuaí Vermelho, da espécie Coffea arabica, que foram tratadas com dois tipos de mutagênicos.

As cerca de 28 mil plantas resultantes da germinação foram analisadas por um método que identificava a presença ou ausência de cafeína.

"Com o tratamento, obtivemos sete tipos de cafeeiros que são praticamente desprovidos de cafeína. São plantas bastante vigorosas que em breve produzirão flores. Vamos fazer toda a análise bioquímica e molecular dessas plantas e procuramos uma empresa brasileira interessada em implantar comercialmente esse café naturalmente descafeinado", disse Mazzafera.

O cientista explica que o campo experimental onde foi feito o experimento tem atualmente 250 plantas. Com as sementes disponíveis é possível plantar cerca de 5 hectares para testes.

"Se der tudo certo, vamos fazer mudas com essas sementes e levar tudo a campo em 2011", disse Mazzafera.

Café descafeinado

Segundo o pesquisador, o interesse comercial pelo café descafeinado é pequeno no Brasil, diferentemente do que ocorre em outros países. Cerca de 1% do café comercializado em território brasileiro é descafeinado. Enquanto isso, na Europa e nos Estados Unidos, a divulgação dos efeitos adversos da cafeína tem provocado um aumento crescente do mercado de café descafeinado.

"O café descafeinado corresponde a cerca de 10% do total do café comercializado no mundo. Certamente, é um mercado muito interessante e muito valorizado. A alternativa de um café desse segmento que não tem necessidade de passar por processos industriais para ser descafeinado é bastante promissora em termos de mercado", destacou.

Existem três processos para produção do café descafeinado. O método que emprega o solvente clormetano, o método suíço, que utiliza água para retirar a cafeína, e o método de gás carbônico supercrítico. "No método suíço, a água retira a cafeína, mas leva junto muitos elementos importantes do café. De qualquer maneira, o ponto central é que esses processos encarecem o produto", explicou Mazzafera.

Autofecundação

As plantas obtidas pelo processo só apresentaram um problema: a estrutura da flor do café normalmente garante que a planta tenha uma alta taxa de autofecundação - próxima de 95% -, mas a flor da planta mutante abre precocemente, quando ainda está imatura, e, com isso, pode não ter a mesma taxa de autofecundação.

"Como a flor abre antes, em tese ela pode receber pólen de plantas com outros teores de cafeína. O problema, no entanto, não é tão grave, porque podemos plantar lotes de café formados exclusivamente com a planta mutante, segregados dos lotes com as plantas normais. Ou podemos colocar abelhas nas plantações do material com baixo teor de cafeína, provocando assim um aumento da taxa de autofecundação entre elas", disse Mazzafera.

Um dos principais resultados do método que envolveu indução à mutação foi a economia de tempo. "O melhoramento genético tradicional poderia demorar muitos anos para chegar a gerar plantas descafeinadas produtivas", disse.

O processo mutagênico utilizado para a obtenção das plantas descafeinadas foi patenteado. "No Brasil, não podemos patentear o material, por isso patenteamos o processo. No momento em que uma companhia brasileira se interessar em implantar o café descafeinado natural, poderemos fazer uma patente internacional relativa aos produtos provenientes desse café, cobrando royalties para quem for produzir", disse.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Conservação de Alimentos

Consumo Responsável

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.