Pílula anticoncepcional sem hormônios já está no horizonte

Pílula anticoncepcional sem hormônios já está no horizonte

[Imagem: Wikimedia Commons]

Anticoncepcional sem hormônios

Uma proteína que desempenha um papel crucial na concepção pode ser o elemento que faltava para a criação de um anticoncepcional que não mexa com os hormônios das mulheres.

O revestimento dos óvulos dos mamíferos contém uma proteína chamada ZP3, à qual o espermatozóide deve se ligar para ser capaz de atravessar o revestimento e fertilizar o óvulo.

Pesquisadores descobriram que as fêmeas de camundongo geneticamente modificadas para não apresentarem a proteína ZP3 em seus óvulos tornaram-se inférteis. Os pesquisadores também já sabiam que as mulheres com níveis anormais de ZP3 apresentam problemas de fertilidade.

Infertilidade temporária

Agora, o grupo do pesquisador Luca Jovine, do Instituto Karolinska (Suécia), utilizou uma técnica chamada cristalografia de raios X para analisar a estrutura química da proteína ZP3 e descobrir suas propriedades estruturais.

Como a proteína ZP3 equivalente nos humanos é semelhante à dos camundongos, Jovine afirma que será possível projetar medicamentos que se liguem à ZP3, evitando a formação do revestimento do óvulo e tornando a mulher temporariamente infértil.

Anticoncepcional sem efeitos colaterais

Uma pílula anticoncepcional com este princípio de funcionamento evitará alguns dos maiores efeitos colaterais dos anticoncepcionais atuais, que atrapalham a produção de hormônios em todo o organismo da mulher.

A pesquisa Crystal structure of the ZP-N domain of ZP3 reveals the core fold of animal egg coats foi publicada na revista Nature.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sexualidade

Gravidez

Saúde da Mulher

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.