Sarampo está eliminado do Brasil, segundo OMS

Doença extinta

Após um ano sem o registro de casos de sarampo, a circulação endêmica do vírus da doença foi considerada interrompida no Brasil, conforme comunicado da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com Ministério da Saúde, a expectativa é que, até o fm de 2016, o Brasil receba o certificado de eliminação do sarampo pela OMS. O documento reconhece a eliminação da transmissão da doença em todo o continente americano. A região será a primeira do mundo onde isso acontece.

Em 2015, a rubéola também foi considerada eliminada do país.

Os últimos casos de sarampo no país foram registrados em julho do ano passado, em um surto no Ceará. Na ocasião, a Opas investiu R$ 1,2 milhão para apoiar os custos de ações para controle do surto e no recrutamento de 165 enfermeiros e auxiliares de enfermagem.

Sarampo

Segundo a organização, os profissionais participaram do mapeamento das regiões com maior transmissão de sarampo. A iniciativa permitiu que a vacinação fosse feita tanto em unidades básicas de Saúde quanto nas casas das pessoas que viviam em áreas de maior circulação do vírus causador da doença.

O sarampo é normalmente transmitido por meio do ar e do contato direto. O agente infeccioso é um vírus que infecta as membranas mucosas e, em seguida, se espalha por todo o corpo, causando uma doença grave e altamente contagiosa.

Atualmente, a doença é considerada uma das principais causas de morte entre as crianças no mundo. Aproximadamente 114,9 mil pessoas morreram em consequência dessa doença em 2014, principalmente as menores de 5 anos de idade, o que corresponde a 314 óbitos por dia ou 13 por hora.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Vírus

Prevenção

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.