Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/08/2013

Seja feliz: seus genes agradecem e retribuem

Redação do Diário da Saúde
Seja feliz: seus genes agradecem e retribuem
Outros estudos já mostraram que ser alegre e ficar saudável são coisas intimamente ligadas.[Imagem: Johns Hopkins Medicine]

No primeiro estudo deste tipo, pesquisadores examinaram como a psicologia positiva afeta a expressão dos genes humanos.

Depois que pesquisas sobre a epigenética começaram a mostrar que até as experiências de vida dos pais podem ser repassadas aos filhos, abriu-se o campo para estudos sobre associações entre o bem-estar e o DNA.

O lado negativo da história - como longos períodos de estresse e incerteza afetam nossos genes - já está bem documentado, resultando na chamada "resposta transcricional à adversidade".

Mas Barbara Fredrickson e Steven Cole - e seus colegas das universidades da Califórnia em Los Angeles e da Carolina do Norte - queriam saber se o oposto também era verdadeiro, ou seja, se o bem-estar influi positivamente sobre os genes.

O que eles descobriram é que diferentes "tipos de felicidade" têm efeitos surpreendentemente diferentes sobre o genoma humano.

Tipos de felicidade

O primeiro tipo de felicidade que os pesquisadores classificaram foi chamado de "eudaimônico" - de eudaimonia, felicidade em grego -, o tipo de felicidade que se origina de um profundo senso de propósito e significado na vida (do qual Madre Teresa de Calcutá é um ícone).

Pessoas que têm altos níveis de bem-estar eudaimônico apresentaram perfis de expressão genética muito favorável em suas células imunológicas.

Elas têm baixos níveis de expressão do gene inflamatórios e forte expressão de genes ligados a mecanismos antivirais e anticorpos.

Seja feliz: seus genes agradecem e retribuem
Para se sentir mais feliz, fale sobre experiências, e não sobre coisas. [Imagem: Wikimedia/Yann]

No entanto, tudo é diferente para as pessoas que têm o tipo de felicidade hedonista, descrita como o bem-estar que vem da "autogratificação consumatória" (pense na maioria das celebridades).

Neste caso, a relação entre a felicidade e a expressão gênica mostrou exatamente o contrário.

Essas pessoas apresentam um perfil de expressão genética adversa, envolvendo alta expressão de genes ligados à inflamação e baixa expressão de genes ligados a mecanismos antivirais e anticorpos.

Genoma sensível às emoções

Apesar da diferença na expressão genética, o estudo mostrou que, em termos de sensações, aqueles que se dizem portadores de uma "felicidade hedonista" não se sentem em nada piores do que aqueles que manifestam a "felicidade eudaimônica".

"Ambos parecem ter os mesmos altos níveis de emoções positivas. Entretanto, seus genomas respondem de formas muito diferentes, embora os seus estados emocionais sejam igualmente positivos," explica o professor Steven Cole.

"O que este estudo nos diz é que fazer o bem e sentir-se bem tem efeitos muito diferentes sobre o genoma humano, apesar de gerarem níveis semelhantes de emoções positivas. Aparentemente, o genoma humano é muito mais sensível a diferentes formas de alcançar a felicidade do que as mentes conscientes," conclui Cole.


Ver mais notícias sobre os temas:

Felicidade

Genética

Emoções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?