Tempo livre na medida certa aumenta sua felicidade

Tempo equilibrado

O que é mais desejável: pouco ou muito tempo livre ao seu dispor?

Apesar dos muitos elogios ao ócio, para ser feliz, o que é necessário é alguma coisa entre esses dois extremos, garantem Chris Manolis e James Roberts, das universidades de Xavier e Baylor (EUA).

Pelo menos no caso de jovens materialistas, às voltas com problemas de compras compulsivas, a quantidade certa de tempo livre é a chave para que eles se sintam mais felizes.

Materialismo e tempo

O tempo está na essência da nossa sociedade.

A percepção da falta de tempo, ou a pressão do tempo, está associada com níveis mais baixos de felicidade.

Ao mesmo tempo, a nossa cultura de consumo, caracterizada pelo materialismo e pelo comprar compulsivo, também tem um efeito sobre a felicidade das pessoas: o desejo de posses materialistas leva a uma menor satisfação geral com a vida, porque esses desejos são sempre substituídos por próximos, em uma espiral inatingível.

Dada a importância do tempo na vida contemporânea, Manolis e Roberts estudaram pela primeira vez o efeito do que eles chamam de "afluência do tempo percebido" - a quantidade de tempo livre que uma pessoa percebe que tem - sobre as consequências dos valores materialistas e do comprar compulsivo para o bem-estar de adolescentes.

Materialismo e compras compulsivas

Um total de 1.329 adolescentes de uma escola secundária pública em uma área metropolitana participaram do estudo.

Os pesquisadores mediram quanto tempo livre os jovens pensavam que tinham, o quanto mantinham valores materialistas e apresentavam tendências compulsivas de compra, e seu bem-estar subjetivo.

Os dados confirmam que tanto o materialismo quanto a compulsão pelas compras têm um impacto negativo sobre a felicidade dos adolescentes.

Quanto mais materialistas eles são, e quanto mais se envolvem em compras compulsivas, mais baixos são seus níveis de felicidade.

Além disso, a afluência de tempo modera as consequências negativas tanto do materialismo quanto do comprar compulsivo.

Tempo livre ideal

A afluência moderada de tempo - isto é, não ser nem muito ocupado, nem ter tempo livre demais - está ligada a níveis mais elevados de felicidade em adolescentes materialistas e naqueles que são compradores compulsivos.

Aqueles que sofrem de pressões de tempo e pensam materialisticamente, e/ou compram compulsivamente, sentem-se menos felizes em comparação com o seu grupo.

Da mesma forma, ter muito tempo livre agrava os efeitos negativos dos valores materialistas e da compra compulsiva sobre a felicidade dos adolescentes.

"Viver com uma quantidade sensata e equilibrada de tempo livre promove o bem-estar não só diretamente, mas também por ajudar a atenuar alguns dos efeitos colaterais negativos associados com a vida em nossa sociedade orientada para o consumo," concluem os autores.


Ver mais notícias sobre os temas:

Felicidade

Consumo Responsável

Emoções

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.