Tenistas que gemem durante jogos obtêm vantagem, sugere estudo

Tenistas que gemem durante jogos obtêm vantagem, sugere estudo
Sharapova é famosa por seus grunhidos. O estudo mostra que os sons atrapalham o adversário.
[Imagem: BBC]

Atrapalhando o adversário

Os grunhidos proferidos por alguns tenistas durante partidas podem lhes garantir vantagens reais sobre seus oponentes, segundo um estudo científico.

Testes realizados por pesquisadores dos EUA e do Canadá mostraram que, do ponto de vista dos adversários, "sons de fora interferem no desempenho, fazendo com que suas respostas sejam mais lentas e menos precisas".

Algumas estrelas do tênis, como Martina Navratilova, chegaram a criticar os gemidos de adversários.

Enquanto isso, Maria Sharapova e Rafael Nadal estão entre os tenistas mais "barulhentos" em quadra.

O estudo, divulgado pela publicação Plos ONE, da Public Library of Science, foi feito a partir de testes com 33 estudantes na Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá.

Vantagens de gemer

Os estudantes assistiram a centenas de vídeos que mostravam um jogador - que por vezes gemia - dando raquetadas à esquerda ou à direita. Às cobaias cabia determinar rapidamente a direção da bolinha.

"Quando o vídeo continha gemidos, os participantes (do estudo) não só reagiam mais lentamente, como tinham um nível de precisão menor. Então podiam ser pegos no contrapé, se estendermos (o cenário) a uma quadra de tênis real", disse à BBC o autor do estudo, Scott Sinnett.

A pesquisa disse, ainda, que os grunhidos poderiam dificultar o adversário se este tentasse prever a curva ou a velocidade da bola a partir do som feito pela raquete.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atividades Físicas

Concentração

Sexualidade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.