Você sabe se está tendo um derrame? Então é melhor conhecer os sintomas.

Você sabe se está tendo um derrame? Então é melhor conhecer os sintomas.

[Imagem: University of Utah]

Desconhecimento dos sintomas do derrame

Uma pesquisa mostrou que a maioria das pacientes que tiveram um derrame não sabiam que estavam tendo um derrame e, por conseqüência, demoraram a procurar tratamento, o que fez sua condição piorar.

A descoberta, feita na Mayo Clinic (Estados Unidos), foi publicada no último exemplar do Emergency Medicine Journal.

Os pesquisadores estudaram 400 pacientes que foram diagnosticados no serviço de emergência com isquemia aguda ou com ataque de isquemia transiente, uma interrupção temporária do fluxo sangüíneo para uma parte do cérebro.

Menos da metade dos pacientes - 42% - acreditava estar tendo um derrame. Na verdade, a maioria dos participantes do estudo não foi para o pronto-socorro quando os sintomas apareceram pela primeira vez.

O tempo é tudo no tratamento de um derrame

O tempo típico (mediano) transcorrido do aparecimento dos sintomas até a chegada ao hospital foi de três horas e meia. A maioria afirmou pensar que os sintomas simplesmente desapareceriam. A demora na busca pelo atendimento médico foi a mesma entre os homens e as mulheres.

Quando perguntados sobre o que eles sabiam a respeito dos sintomas de um derrame, 20% dos pacientes afirmaram pensar que um derrame sempre surge gradualmente. Apenas metade (51,9%) afirmou achar importante procurar ajuda médica imediatamente.

"O tempo é tudo no tratamento de um derrame," explica a Dra. Latha Stead, coordenadora da pesquisa. "O histórico médico de cada indivíduo varia e afeta a recuperação, mas em geral quanto mais cedo um paciente que está tendo um derrame chegar ao serviço de emergência, maiores serão as chances de que o derrame possa ser restringido, evitando maiores danos e melhorando a recuperação."

Os pesquisadores afirmam que as descobertas indicam claramente que um melhor entendimento por parte do público dos sintomas dos derrames irá resultar em atendimentos mais rápidos e em melhores históricos de recuperação.

O que você deve saber

Derrames acontecem rapidamente ou podem ocorrer ao longo de várias horas, com a situação piorando continuamente. O coágulo que está causando o derrame pode freqüentemente ser dissolvido ou desintegrado, de forma que o sangue possa fluir novamente para o cérebro. Nesses casos, o tratamento imediato pode significar a diferença entre um dano leve e uma deficiência grave permanente.

Somente 20,8% dos participantes do estudo sabiam alguma coisa sobre o tratamento dos derrames. Com o uso de stents, medicamentos e outras tecnologias, os médicos podem parar a progressão de um derrame e limitar muito os seus danos.

Sintomas de um derrame

Os sintomas de um derrame incluem:

  • Repentina paralisia, enfraquecimento ou falta de sensibilidade no rosto, braço ou perna - normalmente em um dos lados do corpo;
  • repentina dificuldade de falar ou de entender a fala (afasia);
  • problemas repentinos de visão, incluindo o embotamento, a visão dupla ou a perda da visão;
  • vertigens repentinas, perda de equilíbrio ou perda de coordenação;
  • uma forte e repentina dor de cabeça, que pode ser acompanhada de uma rigidez na nuca, dor facial, dor entre os olhos, vômitos ou alteração de consciência;
  • confusão ou problemas de memória, orientação espacial ou percepção.

Nestes casos, um derrame não dá aviso.

Ataque isquêmico transiente

Mas é possível que o derrame dê um aviso. Um sinal de que um derrame é iminente é conhecido como ataque isquêmico transiente. Os sinais e sintomas do ataque isquêmico transiente são os mesmos do derrame, mas duram por um período curto - de alguns minutos a umas poucas horas - e então desaparecem sem deixar efeitos permanentes aparentes.

Uma pessoa pode ter mais de ataque isquêmico transiente, e os sintomas e sinais de cada um deles podem ser similares ou diferentes. Um ataque isquêmico transiente indica um risco sério de que um derrame fulminante venha a seguir.

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.