19/09/2019

Declínio mental não vem com a idade, vem com as doenças

Redação do Diário da Saúde
Declínio mental não vem com a idade, vem com as doenças
Até a matemática está ajudando a Medicina a ver o paciente inteiro.[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Idade não, doenças

O declínio das capacidades mentais "simplesmente vem com a idade", certo?

Não seja tão rápido em concordar com esses dizeres, populares mesmo entre médicos e cientistas, concluíram pesquisadores e clínicos em geriatria reunidos em uma conferência organizada pela Sociedade Norte-Americana de Geriatria (AGS).

O encontro permitiu listar evidências crescentes que mostram que doenças relacionadas à idade - em vez da idade em si - podem ser a principal causa do declínio cognitivo largamente presente nas pessoas mais velhas.

E, embora a velhice continue sendo o principal fator de risco para o comprometimento cognitivo, os pesquisadores acreditam que pesquisas futuras podem esclarecer conexões mais complexas e diferenciadas entre a saúde cognitiva, a saúde geral e a forma como abordamos a idade.

"Tem nos sido dito há muito tempo que as questões cognitivas são 'apenas parte do envelhecimento'. Mas a pesquisa médica contemporânea mostra como as mudanças corporais que levam a doenças como demência aparecem muito antes dos sintomas que associamos à velhice," disse o Dr. Christopher Carpenter, um dos coordenadores da conferência.

O cérebro não é uma ilha

A principal mensagem passada durante o encontro foi o reconhecimento de que "o cérebro não é uma ilha", um ponto de vista que se tornou tacitamente aceito conforme se ampliaram as pesquisas em neurociências, marcadamente centradas no cérebro.

Como o objetivo da conferência foi analisar o impacto do comprometimento cognitivo do ponto de vista de diversas especialidades, um ponto crítico para os estudiosos foi a complexa relação bidirecional entre a cognição e o resto do corpo.

Essa mudança de mentalidade tem impacto direto sobre a prática clínica, conforme as deficiências cognitivas podem servir como indicadores ou influenciadores no curso de outras doenças e condições. Por exemplo, o comprometimento cognitivo talvez seja "o mais forte preditor independente" de readmissão e mortalidade hospitalar para idosos que sofrem de insuficiência cardíaca.

Declínio mental não vem com a idade, vem com as doenças
Também já se sabe que o ataque cardíaco é uma condição sistêmica, indo muito além do coração.
[Imagem: Medical University of Vienna]

Outro exemplo é que pesquisadores e médicos das mais diversas áreas da saúde já haviam observado a relação crítica entre duas de suas principais preocupações: a demência e o delírio, o termo médico para confusão mental de início rápido e abrupto, um estado mental alterado, que afeta milhões de adultos mais velhos anualmente.

As pesquisas agora sugerem que delírio e demência são fatores de risco mutuamente inclusivos, com casos de um provocando riscos para o outro. Assim, a prevenção do delírio pode oferecer uma oportunidade sem precedentes de prevenir ou diminuir o declínio cognitivo futuro, concluíram os participantes da conferência.

Consentimento informado

À medida que o campo avança e a mentalidade dos médicos e cientistas retorna à visão mais geral do ser humano, no entanto, uma grande barreira permanece: Uma escassez de pesquisas devido à exclusão de voluntários com problemas cognitivos.

Embora a obtenção do consentimento informado (o termo usado para descrever a disposição de uma pessoa de participar de um estudo após confirmar que ela compreenda todos os riscos e benefícios possíveis) continue sendo um desafio, os pesquisadores apontaram dados de que a disposição de participar permanece alta.

Para que essa disposição do público em ajudar possa ser aproveitada, os especialistas apresentaram uma lista de sugestões para adequar as salvaguardas de consentimento aos tipos de estudos e aos possíveis participantes, alterações estas que prometem uma maior proteção contra a exploração dos pacientes e, por decorrência, viabilizar novas pesquisas de cunho mais amplo.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.