28/02/2020

Experimento mostra o quanto é fácil manipular opiniões políticas

Redação do Diário da Saúde
Experimento mostra o quanto é fácil manipular opiniões políticas
Nada menos do que 94% das pessoas pesquisadas aceitaram prontamente a posição mais moderada (manipulada) como sendo sua própria opinião.[Imagem: McGill University]

Manipulação benigna

Conforme os moderados fogem dos radicalismos e discussões e os radicais tomam conta da cena política, crescem as preocupações com os efeitos nefastos da polarização política.

A boa notícia é que pode ser possível lidar com o problema sem correr riscos de acirrar ainda mais as disputas.

Um experimento incomum mostrou que pode ser possível influenciar os eleitores a adotarem posições menos polarizadas.

Uma equipe de pesquisa das universidades McGill (Canadá) e Lund (Suécia) abordou eleitores favoráveis ao presidente Donald Trump e à candidata derrotada, Hilary Clinton.

Os voluntários deviam comparar Trump e Clinton em vários traços de liderança, como coragem, visão e habilidades analíticas, colocando um X em uma escala móvel.

Em seguida, os pesquisadores manipularam secretamente a posição em que os participantes haviam postos cada X, substituindo uma folha de pesquisa por outra, na qual a maioria das respostas parecia moderada, mais próxima do ponto médio entre Trump e Clinton.

Eles então devolveram essas respostas mais moderadas aos participantes, como sendo suas próprias respostas, para um debate de acompanhamento.

Sim, eu sou equilibrado

Os resultados foram surpreendentes: Os voluntários não apenas não estranharam as respostas falsamente assinaladas, como 94% dos entrevistados aceitaram as respostas manipuladas como sendo suas próprias respostas.

E, mais do que isso, todos justificaram prontamente as opiniões moderadas, que eles não haviam dado.

Experimento mostra o quanto é fácil manipular opiniões políticas
Outra pesquisa mostrou que os eleitores das democracias modernas não elegeriam um "candidato Robin Hood" que se prontificasse a tirar dos ricos para dar aos pobres.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Por exemplo, um participante que inicialmente favoreceu Trump afirmou: "Acho que caí em algum lugar no meio - eu gostaria de pensar que sou um pouco moderado. Acho que neste momento é importante ter a mente aberta". E isto apesar de ter demonstrado pontos de vista polarizados momentos antes.

Intrigados com o resultado, os pesquisadores então replicaram o experimento online com quase 500 participantes. Mas também nessa amostra maior não houve diferença nos resultados entre conservadores e progressistas: A maioria dos participantes voltou a ser suscetível à manipulação e racionalizou ostensivamente suas alegadas respostas moderadas.

Manipulação das pesquisas de opinião

Estes resultados trazem esperança de se obter um maior nível de ponderação dos eleitores, mas também trazem preocupações quanto às pesquisas de opinião.

"Pesquisas políticas tentam capturar as atitudes do público, mas nosso estudo demonstra que elas podem ser fortemente manipuladas," afirmou o professor Jay Olson. "Ao fazer as pessoas acreditarem que escreveram respostas diferentes momentos antes, fomos capazes de fazê-las endossar e expressar visões políticas menos polarizadas."

Depois, para evitar problemas éticos, garantindo que o experimento não afetasse ou influenciasse as atitudes dos participantes a longo prazo, os pesquisadores contaram que haviam feito a manipulação e mostraram ambos os resultados a todos os voluntários.

E, no final das contas, afirmaram esperar que suas descobertas sejam usadas para o bem: "Esses resultados oferecem esperança em um clima político dividido: mesmo as pessoas polarizadas podem se tornar - pelo menos momentaneamente - abertas a opiniões opostas," disse Olson.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.