Polarização? Muito mais nos une do que nos divide

Polarização? Muito mais nos une do que nos divide
Um treinamento de autoconhecimento pode ajudar a compreender os outros, ajudando a atenuar o discurso da polarização.
[Imagem: University of Bath]

Continuamos unidos

As pessoas estão muito mais unidas em suas crenças e valores do que as reportagens da mídia sobre polarização costumam sugerir.

O que parece ser o tom padrão do discurso atual - na mídia tradicional, nas mídias sociais e nas conversas em geral - tende a superestimar grosseiramente a diferença entre os grupos, ajudando a criar uma narrativa divisiva de "nós e eles".

Essa narrativa tem sido perpetuada por muitos comentaristas e formadores de opinião, e usada por certos políticos para semear divisões.

Esta é a conclusão de um estudo com dados de mais de 60 países e 140.000 pessoas. Os psicólogos da Universidade de Bath (Reino Unido) analisaram as crenças e atitudes morais das pessoas, incluindo os valores em relação à igualdade.

Para decifrar tantos dados, os pesquisadores desenvolveram uma nova abordagem para analisar a homogeneidade ou a dessemelhança no interior de grupos, e então aplicaram esse método a diferentes grupos de pessoas, definidos por nacionalidade, religião, idade, sexo, renda e nível de educação.

Os dados revelam que as pessoas tendem a superestimar as diferenças entre os grupos. Ao mesmo tempo, porém, cada entrevistado tipicamente destaca as semelhanças mais comuns, o que faz com que suas atitudes se tornem majoritariamente positivas, em vez da negatividade largamente apregoada pela mídia.

Buscar as semelhanças

Os resultados mostram que as atitudes e valores em questões que variam desde criminalidade e segurança até crenças morais estão notavelmente afinados - por exemplo, em média, 95% das respostas dadas por mulheres foram espelhadas por homens e 80% das respostas de indivíduos de uma nação foram espelhados por indivíduos de outro país.

Paul Hanel e seus colegas esperam que suas descobertas venham tranquilizar o público que teme uma sociedade cada vez mais dividida e polarizada, e esperam que as descobertas pavimentem o caminho para que acadêmicos, cientistas e comentaristas da mídia repensem como falam sobre a coesão social.

"Nossos resultados sugerem que grupos de pessoas são muito mais semelhantes do que as pessoas - incluindo os pesquisadores - frequentemente acreditam. Isso porque, enquanto outros buscam as diferenças, nós nos concentramos explicitamente nas semelhanças - é aqui que se mostra que há muitas mais coisas que nos unem do que nos dividem.

"Há uma mensagem importante para os políticos, colegas acadêmicos e comentaristas da mídia. Quando falamos sobre a realidade, sobre as percepções ou preconceitos das pessoas, e destacamos as semelhanças que vemos, também reforçamos a coesão social," disse Paul Hanel.

Os resultados do estudo foram publicados no Journal of Personality and Social Psychology.


Ver mais notícias sobre os temas:

Relacionamentos

Qualidade de Vida

Felicidade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.