28/11/2019

Você aprende mais com seus acertos do que com seus erros

Redação do Diário da Saúde
Você aprende mais com seus acertos do que com seus erros
Outros pesquisadores testaram a relação entre sucesso e fracasso levando em conta o aspecto religioso.[Imagem: Manuel Dohmen/Wikimedia]

Aprendendo com sucessos e fracassos

Os psicólogos e cientistas ainda não chegaram a um acordo sobre a conexão entre os sucessos e fracassos de uma pessoa.

Há poucos dias, uma equipe demonstrou uma relação causal entre um fracasso inicial e um sucesso futuro nas carreiras científicas.

Agora, Ayelet Fishbach e seus colegas da Universidade de Chicago (EUA) garantem que, ao contrário das crenças comuns sobre aprender com o fracasso, você aprende mais com os seus sucessos.

"Somos ensinados a aprender com o fracasso, a celebrar o fracasso. Os discursos de formatura costumam falar sobre o quanto você deve ousar falhar e aprender com seus fracassos. E os gerentes falam sobre as lições que eles tiveram pessoalmente dos fracassos. Se você apenas ouvir o público falando, você pensaria que estamos bem ajustados para falhar. No entanto, não é esse o caso," disse a professora Fishbach.

Para chegar a essa conclusão, ela e seus alunos realizaram uma série de experimentos em que "o fracasso fez o oposto: minou o aprendizado".

Esquecemos dos fracassos

Os pesquisadores realizaram cinco experimentos em que cada um dos mais de 1.600 participantes respondeu a uma série de perguntas de escolha binária. Como havia apenas duas respostas possíveis, assim que os voluntários recebiam feedback sobre suas respostas, eles deveriam saber a resposta correta - quer tenham marcado corretamente ou não.

Em seguida, os pesquisadores testaram novamente os participantes sobre o conteúdo das perguntas iniciais para verificar se haviam aprendido com o feedback.

De forma consistente, os participantes aprenderam menos com os erros do que com os acertos - mesmo quando os pesquisadores reprojetaram o experimento para tornar o aprendizado com erros menos exigente em termos cognitivos, e mesmo quando o aprendizado era incentivado. Aqueles que receberam feedback sobre erros também se lembraram menos de suas opções de resposta.

"Com mais experimentos, o que pudemos ver é realmente uma questão de autoestima," diz Fishbach. "Não é bom fracassar, então as pessoas se desligam do fracasso."

Melhorar o aprendizado

Os resultados têm implicações em como otimizar o aprendizado, dizem os pesquisadores.

"Na medida em que as falhas estão sendo ignoradas, na medida em que realmente desligamos em vez de nos conectarmos, não há aprendizado algum com as falhas," disse Fishbach. "E, quando não há aprendizado com as falhas, isso contrasta com a impressão geral de que as falhas foram momentos de aprendizado em nossa vida. Na maioria das vezes, quando falhamos, simplesmente não damos atenção".

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.