Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

04/12/2015

Alternativa elétrica aos antibióticos funciona de verdade

Redação do Diário da Saúde
Alternativa eletrizante aos antibióticos funciona de verdade
Bactérias infectando o ferimento, antes (em cima) e depois (embaixo) da aplicação do curativo elétrico. [Imagem: Sujala T. Sultana et al. - 10.1038/srep14908]

Alternativa aos antibióticos

Pesquisadores da Universidade Estadual de Washington (EUA) descobriram finalmente o mecanismo pelo qual a estimulação elétrica opera no tratamento das infecções bacterianas.

Isto abre o caminho para uma terapia alternativa aos antibióticos, cujo uso indiscriminado está levando ao surgimento de bactérias resistentes a todos os medicamentos.

Nos experimentos, uma corrente elétrica de baixa intensidade matou em 24 horas praticamente todas as bactérias multirresistentes em um biofilme bacteriano, uma colônia de bactérias, a estrutura mais difícil de combater durante as infecções.

Quando a corrente elétrica foi retirada, a população bacteriana restante era de apenas 1/10.000 da população original.

A equipe também testou o método em tecido suíno, onde a eletricidade matou a maioria das bactérias sem danificar o tecido circundante.

Como a eletricidade mata bactérias

A estimulação elétrica tem tido resultados mistos contra as bactérias, com curativos elétricos acelerando a cicatrização, mas com outros experimentos mostrando resultados menos animadores.

Para o professor Haluk Beyenal, isto provavelmente se deve a que os cientistas ainda não têm uma compreensão clara de como a eletricidade funciona eletroquimicamente contra as bactérias.

Agora, ele e sua equipe mostraram pela primeira vez que a eletricidade induz uma reação eletroquímica que produz peróxido de hidrogênio, um desinfetante muito eficaz. O peróxido de hidrogênio é gerado na superfície do eletrodo usado para disparar a eletricidade no ferimento ou no filme bacteriano.

"Temos feito pesquisa fundamental sobre isso há vários anos e, finalmente, agora podemos transferi-lo para a tecnologia," disse Beyenal. "É realmente emocionante."

Curativo elétrico que funciona

Para empacotar o conhecimento em um aparato tecnológico, a equipe otimizou a reação eletroquímica em um curativo eletrônico feito de um tecido de carbono eletricamente condutor.

Ligando a corrente elétrica pelo tecido, gera-se uma concentração baixa mas constante de peróxido de hidrogênio, suficiente para matar 99,99% das bactérias.

E as bactérias não conseguem desenvolver resistência a um tratamento eletroquímico.

"Muitas pessoas tentaram este método simples. Às vezes ele funcionou, e às vezes não funcionou. Nós controlamos as reações eletroquímicas. Essa é a razão pela qual ele funciona," disse Beyenal.


Ver mais notícias sobre os temas:

Infecções

Equipamentos Médicos

Bactérias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?