Aplicativo para celular monitora o coração

Aplicativo para celular monitora ritmo cardíaco
Um sensor de luz - capta os resultados e envia a informação através dos fios do fone de ouvido até a um dispositivo que está ligado ao telefone.
[Imagem: ESA]

Coração no iPhone

E se monitorar o seu ritmo cardíaco fosse tão fácil como ouvir música, enquanto faz a sua corrida?

Graças a avanços na tecnologia espacial, um iPhone será capaz em breve de fazer as duas coisas: tocar as suas músicas preferidas e ainda acompanhar seus sinais vitais.

A companhia suíça de transferência de tecnologia CSEM, ligada à Agência Espacial Europeia (ESA), apresentou o protótipo final do seu equipamento Pulsear.

Uma pequena unidade anexada a um celular normal usa sinais infravermelhos para medir o ritmo cardíaco.

Verifique o seu ritmo cardíaco no seu celular

O equipamento funciona enviando os sinais infravermelhos através dos tecidos no ouvido.

Um pequeno fotodiodo - um sensor de luz - capta os resultados e envia a informação através dos fios do fone de ouvido até a um dispositivo que está ligado ao telefone.

O resultado é uma leitura precisa do seu ritmo cardíaco, sem o desconforto de ter de usar uma fita no peito. "Muitas pessoas ouvem música enquanto praticam exercício. Por outro lado, muita gente considera as fitas desconfortáveis," diz Andrea Ridolfi, da CSEM, "daí que tenhamos pensado que fazia sentido tentar medir o ritmo cardíaco através do ouvido."

Uma tentativa anterior de monitorar o ritmo cardíaco através dos ouvidos não foi satisfatória, conta Ridolfi, porque a tecnologia disponível não era suficientemente sofisticada.

Sensor cardíaco

Mas isto foi antes dos pesquisadores terem projetado um complexo sensor de peito para medição dos níveis de oxigênio no sangue dos astronautas, para o programa Estudo Médico de Longo Prazo, da ESA.

"Nós queríamos alguma coisa pequena, compacta e discreta para a pesquisa fisiológica," conta Michel Lazerges, engenheiro responsável pelos projetos da ESA.

Para longas viagens espaciais, é essencial conhecer melhor o que acontece às pessoas sujeitas ao espaço confinado e às condições ambientais extremas, por longos meses.

Para atender aos requisitos da ESA, a CSEM teve de fazer avançar a tecnologia de sensores existente. Um aplicativo do iPhone permite que o ritmo cardíaco ao longo do tempo seja visualizado na tela do celular - comparando, por exemplo, a corrida de hoje com a da semana passada.

As pessoas que testaram o aplicativo em atividades diárias e em atividades físicas aprovaram fortemente o novo dispositivo.

Neste momento o protótipo mede apenas o ritmo cardíaco, mas versões futuras poderão facilmente ser adaptadas para a medição de sinais vitais adicionais, como o nível de oxigênio no sangue. Isto abrirá as portas para inúmeras aplicações médicas.

Por exemplo, o sistema poderá ser usado para monitoração de longa duração, minimamente invasiva, de doentes com patologia pulmonar. "Basta-nos dizer: 'vão ouvir música', para conseguirmos acompanhar os sinais vitais," disse Ridolfi.

Aventureira

O modelo atual é ideal para aplicações desportivas ou para monitorar a saúde de alpinistas. A aventureira suíça Sarah Marquis está usando o equipamento para verificar seus sinais vitais enquanto caminha da Sibéria até à Austrália.

Mas mesmo os viajantes menos aventureiros poderiam beneficiar do Pulsear. Os seus inventores estão neste momento à procura de um parceiro industrial para sua comercialização.

Os atletas de fim de semana, que se preocupam com a eventualidade de exagerarem, podem escalar, andar de bicicleta ou correr sabendo que os seus fones de ouvido irão avisá-los no caso de atingirem algum nível de risco.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Coração

Atividades Físicas

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.