Audição humana é mais ampla do que se acreditava

Dogmas científicos

Quem já visitou ou mora próximo a fazendas de energia eólica, com suas gigantescas turbinas girando lentamente, sabe o quanto essa paisagem aparentemente calma pode ser barulhenta.

E não se trata apenas de um ruído quase ensurdecedor - parece haver uma espécie de ruído que faz as pessoas ficarem doentes.

Muitas pessoas que vivem nas proximidades das turbinas eólicas apresentam distúrbios de sono, queda no desempenho e outros efeitos negativos que não têm sido adequadamente catalogados porque os cientistas e médicos muitas vezes se recusam a estudar os casos, alegando que o ruído produzido fica fora da capacidade de audição do ser humano.

Mas bastou que alguns dogmas científicos fossem deixados de lado para que a verdade emergisse: a capacidade de ouvir do ser humano é mais ampla do que os livros-texto afirmam.

"Nem alarmismo nem negar tudo é de qualquer ajuda nesta situação. Em vez disso, devemos tentar descobrir mais sobre como são percebidos os sons na faixa-limite da audição humana," pondera o professor Christian Koch, do Instituto de Metrologia da Alemanha, que decidiu encarar a questão como todo cientista deveria fazer.

Limites da audição humana

Os livros-texto dizem que o ser humano pode ouvir sons na faixa de 20 a 20.000 hertz. Mas Koch e seus colegas usaram experimentos de biomagnetismo e ressonância magnética funcional para demonstrar que nossa capacidade auditiva é mais ampla, alcançando os chamados infrassons - abaixo dos 16 hertz.

Os resultados mostraram que os seres humanos ouvem sons de frequência muito mais baixa - a partir dos 8 hertz - o que é, afinal, uma oitava inteira abaixo do que se supunha anteriormente.

Ante sons dessa frequência, todos os voluntários afirmaram que estavam ouvindo algo, o que foi confirmado pelos exames neurológicos, embora não conseguissem determinar a tonalidade do som.

"Isto significa que um ser humano tem uma percepção bastante difusa, detectando que algo está lá e que isto poderia envolver perigo," afirmou o professor Christian Koch. "Mas estamos realmente no início das nossas investigações. Mais pesquisas são urgentemente necessárias."

A equipe destaca que também é necessário fazer pesquisas no outro extremo das frequências audíveis, verificando o quanto podemos de fato ouvir na faixa dos chamados ultrassons.


Ver mais notícias sobre os temas:

Audição

Poluição

Neurociências

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.