Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/11/2012

Auto-imaginação pode melhorar memória

Anna Mikulak

Self

Não há dúvida de que a nossa capacidade de lembrar das coisas sustenta nosso sentido de self - nosso "eu mesmo", ou nossa "essência".

Agora, uma pesquisa fornece novas evidências de que essa relação também pode funcionar no sentido inverso.

Ou seja, invocar o nosso senso de "eu" pode influenciar aquilo de que somos capazes de lembrar.

Auto-imaginação

Pesquisas têm mostrado que a auto-imaginação - imaginar algo de uma perspectiva pessoal - pode ser uma estratégia eficaz para nos ajudar a reconhecer algo que já vimos antes, ou recuperar lembranças específicas.

E estes efeitos benéficos têm sido demonstrados tanto entre adultos saudáveis quanto entre indivíduos que sofrem de deficiências de memória, como resultado de lesões cerebrais.

Isto sugere que a auto-imaginação é uma estratégia promissora para a reabilitação da memória.

Mas nenhum estudo havia investigado o efeito da auto-imaginação sobre o que é talvez o mais difícil e mais relevante tipo de memória: a recordação livre - o lembrar-se de algo sem nenhuma referência.

Mateus Grilli e Elizabeth Glisky, da Universidade do Arizona (EUA) decidiram então fazer isto, colocando a auto-imaginação à prova.

Eles queriam comparar a auto-imaginação com estratégias mais tradicionais que envolvem o sentido do self, a fim de obter uma melhor compreensão dos mecanismos subjacentes que possam estar em ação.

Traços de personalidade

Os pesquisadores recrutaram 15 pacientes com lesão cerebral que levou a problemas de memória, e 15 participantes saudáveis com memória normal para participar no estudo.

Os participantes deviam memorizar cinco listas de 24 adjetivos que descrevem traços de personalidade.

Para lembrar de cada traço de personalidade, os participantes foram instruídos a empregar uma de cinco estratégias: pensar em uma palavra que rima com o traço (esta foi a referência), pensar em uma definição para a característica (elaboração semântica), pensar sobre como o traço as descrevia (semântica auto-referencial), pensar em um momento em que o traço esteve presente em seu cotidiano (auto-referencial episódico), ou imaginar-se interpretando aquele traço (auto-imaginação).

Em todos os participantes, saudáveis ou não, a auto-imaginação melhorou a capacidade de lembrança mais do que qualquer outra estratégia.

Reabilitação da memória

Este resultado está em consonância com descobertas anteriores de que o conhecimento sobre eventos específicos do passado é frequentemente prejudicado em pacientes com lesão cerebral.

E também dá suporte à hipótese dos pesquisadores de que o benefício da auto-imaginação para pacientes com deficiência de memória pode estar relacionado à sua capacidade de recuperar o conhecimento a respeito de seus próprios traços de personalidade, identidade e períodos da vida.

Os pesquisadores acreditam que suas conclusões poderão ter aplicações importantes para a reabilitação da memória.

"Com base nos resultados de nossa pesquisa em laboratório," disse Grilli, "pode ser possível adaptar a auto-imaginação para ajudar os pacientes com problemas de memória a lembrar de informações da vida cotidiana, tais como o que eles leram em um livro ou uma notícia que ouviram."


Ver mais notícias sobre os temas:

Memória

Mente

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão