Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/06/2014

Bebês com três pais serão possíveis, mas não se sabe se será seguro

Com informações da BBC

Cientistas afirmam que, em mais dois anos, será possível que um bebê tenha o material genético de duas mães e um pai.

A técnica está sendo desenvolvida como uma forma de prevenir doenças fatais causadas por danos às mitocôndrias, células passadas da mãe para o bebê e que fornecem energia para o organismo.

Um em cada 6,5 mil bebês nasce com sérios problemas mitocondriais - as mitocôndrias são conhecidas como "usinas de energia" das células.

Sem energia suficiente, bebês com essa condição apresentam musculatura fraca, cegueira e problemas cardíacos. Em alguns casos, a condição pode levar ao óbito.

Os especialistas dizem não haver evidências de que os dois métodos em estudo sejam inseguros, mas novos testes ainda devem ser feitos.

"Tudo aponta que a direção que estamos seguindo é segura, mas não sabemos o que há depois da esquina. Por isso, somos cuidadosos," disse um dos cientistas convocados pela Autoridade em Embriologia e Fertilização Humana (HFEA, na sigla em inglês), do Reino Unido, que está acompanhando o desenvolvimento da nova técnica.

Quando der certo, dará certo

O cientista Andy Greenfield, que liderou o grupo de pesquisadores reunidos para analisar a nova técnica, disse que avaliar a segurança do método "não é tão simples".

"Só saberemos se estas técnicas são seguras para humanos até as testarmos de fato em humanos e tivermos o nascimento de um bebê saudável", afirmou.

Haverá necessidade também de alterações nas legislações nacionais, que geralmente proíbem esse tipo de prática.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Gravidez

Cuidados com o Recém-nascido

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão