Bebida mais cara reduz mortes ligadas ao alcoolismo

Sem álcool, com vida

Uma pesquisa canadense associou o aumento dos preços de bebidas alcoólicas a uma queda significativa no número de mortes relacionadas ao consumo de álcool.

Os resultados do estudo indicam que um aumento de 10% no custo das bebidas poderia levar a uma queda de 32% nas mortes relacionadas ao consumo de álcool.

A pesquisa incluiu dois períodos no que diz respeito às regras sobre a venda de bebidas alcoólicas na região.

No primeiro, as bebidas só podiam ser compradas em lojas do governo. No segundo, foi liberada a venda em pontos de venda do setor privado.

Além do aumento do preço, o maior acesso a bebidas alcoólicas, com o surgimento de muitas lojas vendendo esses produtos, também teve um impacto significativo sobre a mortalidade dos consumidores.

Viver é mais barato

De acordo com os cientistas, um aumento de 10% no número de pontos de venda foi associado a uma alta de 2% no número de mortes relacionadas ao álcool, enquanto um aumento de 10% no preço das bebidas poderia levar a uma queda de 32% nas mortes relacionadas ao alcoolismo.

Esse foi o primeiro estudo a destacar os efeitos do preço do álcool nos índices de mortalidade dos consumidores.

Segundo os pesquisadores, com um aumento dos preços das bebidas, a redução no número de mortes é "imediata, substancial e significativa".

"Esse estudo parece revelar evidências científicas mostrando que, apesar do que muitos pensam, até quem bebe com mais frequência reduz seu consumo quando o preço mínimo do álcool aumenta", diz Tim Stockwell, diretor do Centro para Pesquisas sobre Dependência da Universidade de Victoria da Colúmbia Britânica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vícios

Violência

Acidentes

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.