Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/02/2012

Biomáscara vai tratar ferimentos e queimaduras faciais

Redação do Diário da Saúde
Biomáscara vai tratar ferimentos e queimaduras faciais
A biomáscara emprega diversas tecnologias de última geração, incluindo a microfluídica, a eletrônica flexível e a eletrônica orgânica. [Imagem: Eileen Moss/Biomask Project]

Máscara eletrônica

Engenheiros norte-americanos estão desenvolvendo uma biomáscara flexível para tratar queimaduras e outras lesões graves no rosto.

A máscara é feita com um polímero flexível, ao qual são incorporados componentes elétricos, mecânicos e biológicos que ativam os tecidos superficiais, otimizando a cicatrização.

"Nós acreditamos que a biomáscara se tornará a ferramenta fundamental para tratar queimaduras. É um aparelho pensante: conforme o ferimento cicatriza, a biomáscara será capaz de ajustar o tratamento," explicou a Eileen Moss, coordenadora do projeto na Universidade de Arlington (EUA).

Regeneração de tecidos

Os cientistas afirmam que, quando totalmente desenvolvido, o aparelho poderá ajudar também na regeneração com terapia de células-tronco, o que permitirá o desenvolvimento de tecidos perdidos.

A biomáscara emprega diversas tecnologias de última geração, incluindo a microfluídica - usada na construção dos biochips, por exemplo -, a eletrônica flexível - componentes eletrônicos que podem ser dobrados e até enrolados -, e a eletrônica orgânica - circuitos eletrônicos feitos com moléculas à base de carbono, e não de silício.

Os cirurgiões plásticos já usam máscaras de silicone para comprimir levemente cicatrizes graves na face, o que evita a formação de queloides.

O que o grupo planeja fazer agora é dar "inteligência" e funcionalidade a essas máscaras.

Sensores e controladores

"Nós queremos algo que una a medicina restaurativa e a engenharia de tecidos," disse o Dr. Robert Hale, membro da equipe.

Para isso, a biomáscara terá componentes sensoriais e de tratamento.

Os sensores vão monitorar continuamente as condições fisiológicas dos tecidos, repassando suas informações para um computador.

Em resposta, o programa de computador aciona os mecanismos de liberação de medicamento, controle de umidade, pressão, etc, mantendo sempre o tratamento em condições ótimas.

Os cientistas esperam que suas biomáscaras cheguem aos hospitais dentro de cinco anos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Robótica

Cirurgias Plásticas

Cuidados com a Pele

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão