Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/12/2011

Bocejo é mais contagioso entre pessoas que se gostam

Redação do Diário da Saúde
Bocejo é mais contagioso entre pessoas que se gostam
O fator mais importante que afeta o poder de contágio do bocejo é a qualidade do relacionamento que une o "bocejante" e o "bocejado".[Imagem: Wikimedia/Diário da Saúde]

Contágio emocional

Todo o mundo sabe que bocejar é contagioso.

O que não se sabia até agora é que o bocejo é mais contagioso entre pessoas que se gostam, o que inclui amigos, parentes, esposa, marido, namorados etc.

Ivan Norscia e Elisabetta Palagi, da Universidade de Pisa (Itália), afirmam que a "transmissão do bocejo" é não apenas mais frequente, mas também mais rápida, entre "pessoas que compartilham uma ligação empática".

Segundo eles, sua pesquisa é a primeira indicação clara de que a transmissibilidade do bocejo é uma forma de contágio emocional.

Bocejo contagioso

Apesar de sua conexão com a empatia, o bocejo não é uma exclusividade do homem.

"Dependendo do grupo animal considerado, o bocejo pode indicar estresse, tédio, fadiga ou indicar alguma alteração de atividade, como depois de acordar ou antes de ir para a cama," explica a Dra. Elisabetta.

Mas, segundo ela, o bocejo contagioso é completamente diferente, muito mais "moderno" em termos evolutivos, e presente basicamente nos primatas.

O estudo, publicado na revista científica PLoS One, analisou pessoas conhecidas e estranhas, de diversas nacionalidades e nas mais diferentes situações.

"O que aparece como o fator mais importante afetando o poder de contágio do bocejo é a qualidade do relacionamento que une o 'bocejante' e o 'bocejado'," afirma Ivan Norscia. "De fato, é muito mais provável que uma pessoa vá 'bocejar de volta' se o primeiro bocejador for uma pessoa amada."

Bocejar de volta

Nem nacionalidade, idade, sexo, assim como nenhum outro fator, mostrou-se estatisticamente relevante quanto ao contágio do bocejo.

O estudo revelou uma tendência bem clara: o poder de contágio do bocejo é maior na seguinte sequência de pessoas queridas: parentes, amigos, parceiros. Só na última posição aparecem os estranhos.

O tempo que leva para alguém "bocejar de volta" também é menor na mesma sequência.

Ou seja, afirmam os pesquisadores, um bocejo pode ser um sinal de empatia, e não necessariamente de tédio.


Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Sentimentos

Relacionamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão