Brasil recebe autorização para produzir medicamentos radioativos

Brasil recebe autorização para produzir medicamentos radioativos
Alvos de urânio com baixo enriquecimento (UAL2) desenvolvidos pelo Centro do Combustível Nuclear (CCN) para desenvolvimento de processo para produção de molibdênio-99.
[Imagem: E. R. Paiva/Ipen]

Enriquecimento

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA ) aprovou a participação do Brasil no Projeto de Pesquisa Coordenado (CRP) para desenvolvimento de técnicas para produção de molibdênio-99 utilizando urânio-235 de baixo enriquecimento por fissão neutrônica.

O projeto é coordenado pelo Ipen, por meio da Diretoria de Radiofarmácia (Dirf) com previsão de conclusão no final de 2010 e faz parte da estrutura do projeto para construção do Reator Multipropósito Brasileiro (RMB).

Vários grupos de pesquisadores do instituto participam diretamente do projeto incluindo, as Diretorias de Radiofarmácia, de Projetos Especiais (DPE) e os Centros do Combustível Nuclear (CCN), de Química e Meio Ambiente (CQMA), de Ciência e Tecnologia dos Materiais (CCTM) e de Células a Combustível (CCCH).

Radioisótopos médicos

O molibdênio-99 é a matéria-prima para a produção de geradores de tecnécio-99m, radiofármaco utilizado em cerca de 80% dos exames para diagnóstico médico. Desde maio de 2009 há uma grave crise internacional no fornecimento do radioisótopo produzido somente em reatores nucleares, prejudicando os pacientes.

No projeto da AIEA, a tecnologia a ser desenvolvida é a de dissolução ácida, que utiliza alvos de urânio metálico e gera menor volume de rejeitos sólidos e líquidos. O Chile é o primeiro país participante do CRP que irá utilizar essa tecnologia em larga escala.

Urânio de baixo enriquecimento

O urânio-235 de baixo enriquecimento (abaixo de 20%) é fissionado e gera vários isótopos, entre eles o molibdênio-99 e o iodo-131, também utilizado em medicina nuclear.

Argentina, Canadá, África do Sul e demais países produtores de molibdênio-99 utilizam a técnica da dissolução básica, dissolvendo o urânio irradiado com uma base.

O Ipen também retoma essa linha de desenvolvimento já pesquisada no passado, utilizando miniplacas elaboradas pelo CCN. As miniplacas contendo o urânio-235, foram produzidas no CCN e passarão, ainda não irradiadas, por experimentos de dissolução e simulações do restante do processo de separação e purificação do molibdênio-99.


Ver mais notícias sobre os temas:

Tratamentos

Exames

Quimioterapia

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.