Cabras transgênicas brasileiras produzem leite com medicamento

Fábricas ambulantes

Cientistas brasileiros estão usando cabras transgênicas para produzir o equivalente mais eficiente de um medicamento que custa R$500,00 cada ampola.

Os animais geneticamente modificados funcionam como uma espécie de "fábrica biológica" para os medicamentos - os cientistas as chamam de biorreatores.

A transgênese em mamíferos para produção de biorreatores é mais eficiente do que o método tradicional - cultivo de bactéria ou células de mamíferos - porque os animais produzem uma proteína mais similar à natural e de maneira mais econômica.

"De forma geral, os medicamentos assim produzidos seriam mais eficientes e mais baratos", afirma o pesquisador Vicente Freitas, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (UFRJ).

Proteína hG-CSF

O foco do trabalho de Vicente e sua equipe, em parceria com cientistas da Rússia, é o uso de biotecnologias na reprodução dos animais para a multiplicação de caprinos transgênicos capazes de secretar a proteína hG-CSF.

A proteína hG-CSF é um medicamento importado amplamente utilizado devido à sua comprovada eficiência contra diferentes formas de neutropenia e leucopenia, induzidas por quimioterapia.

Existem no mercado duas apresentações do remédio: o Filgrastim e o Lenograstim, ambos custando em média R$ 500,00 a ampola.

Geração das cabras transgênicas

Pesquisas com animais transgênicos são alternativas viáveis no desenvolvimento de novos medicamentos para o tratamento de diversas doenças em humanos.

A transgênese em grandes animais, sobretudo em ruminantes, é uma importante aplicação biotecnológica para a produção de proteínas recombinantes em escala comercial.

"De uma maneira resumida, cabras doadoras de embriões são induzidas para superovular com uso de hormônios. Essas cabras são cobertas por bodes férteis e algumas horas após a fecundação faz-se a colheita cirúrgica dos embriões recém-fecundados. Os embriões são levados a um microscópio, acoplado a um micromanipulador, aonde é realizada a microinjeção. Após este procedimento, os embriões são transferidos para cabras receptoras que levarão a gestação até o parto. Após o nascimento, um teste de DNA irá detectar os animais transgênicos", explica Vicente.

Cabras transgênicas produzem medicamentos

A cabra geneticamente modificada é submetida a uma lactação induzida (sem a necessidade de uma gestação) e produz aproximadamente 630 microgramas de hG-CSF por mililitro (ml) de leite.

Isto equivale a quase duas ampolas do medicamento disponível no mercado. Cada paciente normalmente é submetido a um tratamento completo de 14 ampolas.

"Na hipótese de uma recuperação de 100% da proteína no leite, somente sete mililitros do leite de nossa cabra seriam suficientes para um tratamento. Imagine que esta cabra pode produzir até um litro de leite por dia e ter uma lactação que dura em torno de 150 dias. Dessa forma, acreditamos que um pequeno rebanho transgênico pode atender à necessidade de hG-CSF do Brasil" ressalta Vicente.

Após a colheita do leite e purificação da proteína é que o medicamento poderá ser produzido.

Rebanho transgênico

Contudo, antes da comercialização virá uma etapa longa, que consiste na validação do medicamento, com a realização de testes pré-clínicos, clínicos etc.

Para a produção da proteína em escala comercial será necessário um número adequado de cabras lactando e secretando a proteína recombinante em seu leite.

Para este objetivo estão sendo utilizadas duas estratégias: utilização do sêmen do macho transgênico para fecundação de cabras não transgênicas; e produção de embriões da fêmea transgênica (após fecundação com sêmen de macho não transgênico), com sua posterior transferência para cabras receptoras.

As estratégias têm-se mostrado eficientes: em menos de um ano de projeto o grupo já obteve descendentes tanto para o macho como para a fêmea transgênica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Medicamentos

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.