Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/07/2012

Câmera mais rápida do mundo acha uma célula em um milhão

Redação do Diário da Saúde
Câmera mais rápida do mundo acha uma célula em um milhão
A câmera mais rápida do mundo é capaz de identificar uma célula individual perdida no meio de um milhão de outras células.[Imagem: UCLA]

Identificação de células

Pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA) criaram a câmera digital mais rápida do mundo, capaz de rastrear células individuais em altíssima velocidade.

A capacidade para identificar e isolar células raras, a partir da amostra de um exame, por exemplo, é essencial para a detecção precoce de doenças, e também para o monitoramento de doenças já identificadas.

Um exemplo clássico é o das células tumorais circulantes, biomarcadores de um tumor que circulam pelo sangue. Elas são as precursoras da metástase, o espalhamento do câncer.

O problema é que normalmente há poucas delas em cada bilhão de células saudáveis.

Também não é fácil identificar as células-tronco dos diversos tecidos, que estão sendo pesquisadas para terapias inovadoras.

Câmeras lentas

Infelizmente, identificar células individuais não é fácil. Isto hoje é feito com microscópios dotados de câmeras, que precisam analisar milhões de células.

Assim, quanto mais rápida for a câmera, maior será a capacidade do equipamento, permitindo a geração de resultados estatisticamente válidos.

"Para identificar essas células elusivas, a câmera deve ser capaz de capturar e processar digitalmente milhões de imagens continuamente," explica Bahram Jalali, coordenador da equipe.

Mas as câmeras digitais atuais, dotadas de sensores conhecidos como CCDs, não são nem de perto rápidas o suficiente.

Uma em um milhão

Para suprir a deficiência, a equipe do Dr. Jalali desenvolveu uma nova tecnologia fotônica, que mescla raios laser, microscopia e uma técnica conhecida como citometria de fluxo, capaz de capturar imagens muito rapidamente.

O equipamento é capaz de identificar uma célula individual perdida no meio de um milhão de outras células.

E a análise é muito rápida, alcançando 100.000 células por segundo, aproximadamente 100 vezes mais rápido do que os melhores equipamentos atuais.

"Para validar a utilidade clínica da tecnologia, estamos atualmente realizando testes clínicos em colaboração com médicos," contou Keisuke Goda, membro da equipe. "A tecnologia também é potencialmente útil para exames de urina, monitoramento da qualidade da água e aplicações relacionadas."


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Equipamentos Médicos

Sistema Circulatório

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?