Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/03/2012

Células-tronco do doador podem evitar rejeição no transplante de rim

Redação do Diário da Saúde

Evitando os imunossupressores

Um estudo ainda em andamento apresentou os primeiros resultados promissores sobre o uso de células-tronco para evitar a rejeição de transplantes de rim.

A proposta dos médicos é usar as células-tronco para minimizar, ou eventualmente até eliminar, o uso de medicamentos imunossupressores.

E essas células-tronco vêm do próprio doador do rim.

Os imunossupressores evitam que o sistema imunológico veja o novo rim como um invasor e comece a atacá-lo.

O problema é que esses medicamentos têm inúmeros efeitos colaterais, incluindo hipertensão, doenças do coração, infecções, diabetes e câncer.

Doador e receptor não equivalentes

"Os resultados preliminares deste estudo que estamos realizando são entusiasmantes e poderão ter um impacto significativo na transplantação de órgãos no futuro," disse o Dr. Joseph Leventhal, do Hospital Northwestern Memorial (EUA).

O estudo é pequeno, e envolveu 8 pacientes. Destes, 5 puderam deixar de usar os imunossupressores dentro de um ano após o transplante.

Mas este é o primeiro estudo desse tipo que cobre casos em que doador e receptor não são parentes, ou seja, não são "imunologicamente equivalentes".

Os médicos estão usando uma infusão de células-tronco manipuladas geneticamente para "enganar" o sistema imunológico do receptor para que ele pense que o novo órgão é parte do organismo, eliminando assim, gradualmente, a necessidade da medicação anti-rejeição.

Isso abre a possibilidade de que, no futuro, a compatibilidade entre doador e receptor deixe de ser algo importante no caso dos transplantes.

"Ser receptor de um transplante não é fácil. A fim de evitar a rejeição, os receptores de transplantes hoje precisam tomar múltiplos comprimidos por dia pelo resto das suas vidas," diz a Dra. Suzanne Ildstad, coautora da pesquisa, referindo-se aos imunossupressores.

"Esta nova abordagem poderá oferecer uma melhor qualidade de vida e menores riscos à saúde para os receptores de transplantes," completa.

Transplante de rim com células-tronco

Em um transplante de rim normal, o doador concorda em doar seu rim.

Na nova técnica que agora está sendo estudada, ele é convidado a doar também parte do seu sistema imunológico.

O processo começa cerca de um mês antes do transplante renal, quando são coletadas células-tronco da medula do doador, utilizando um processo chamado aférese.

As células do doador passam então por um processo de enriquecimento das chamadas "células facilitadoras", que se acredita colaborarem para o sucesso de um transplante.

Ao mesmo tempo, o receptor passa por um "condicionamento" pré-transplante, que inclui radioterapia e quimioterapia para suprimir sua própria medula óssea, de forma que as células-tronco do doador tenham mais espaço para crescer em seu corpo.

Depois que o receptor recebe o novo rim, as células-tronco do doador são então transplantadas, um dia mais tarde, e começam a formar a medula, a partir da qual se desenvolvem outras células sanguíneas especializadas, como células do sistema imunológico.

O objetivo é criar um ambiente onde coexistam dois sistemas de medula óssea, funcionando na mesma pessoa.

Após o transplante, o receptor ainda recebe os medicamentos anti-rejeição, que vão diminuindo com o tempo, com o objetivo de sua eliminação completa um ano após o transplante.


Ver mais notícias sobre os temas:

Transplantes

Células-tronco

Medicamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?