Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

21/10/2014

Chip com tumor vira cobaia artificial para o câncer

Com informações da Universidade de Purdue
Chip com tumor vira cobaia artificial para o câncer
Esta "cobaia artificial" será usada para aperfeiçoar nanopartículas que carregam medicamentos específicos até o ponto onde eles são necessários. [Imagem: Bongseop Kwak et al.]

Cobaia artificial

Isolar um tumor do tecido saudável ao redor é importante não apenas no caso de uma cirurgia, mas também quando é necessário estudá-lo ou limitar a ação de medicamentos às células doentes, evitando efeitos colaterais.

Agora, Bumsoo Han e seus colegas da Universidade Purdue (EUA) desenvolveram um biochip que cria um "microambiente tumoral".

É um câncer perfeitamente isolado no interior de um invólucro esterilizado, que permite estudar o complexo ambiente em torno dos tumores e as barreiras que impedem que os medicamentos adentrem ao tecido doente para destrui-lo.

Os pesquisadores pretendem usar essa "cobaia artificial" para aperfeiçoar nanopartículas que carregam medicamentos específicos até o ponto onde eles são necessários, evitando as hiperdosagens usadas pela quimioterapia tradicional.

Nanopartículas com medicamentos

Usando o seu TMOC (tumor-microenvironment-on-chip - microambiente tumoral em um chip) eles esperam aprimorar a capacidade das nanopartículas para chegar efetivamente ao tecido doente, evitando que elas se abram e soltem o medicamento nos tecidos saudáveis.

Uma das abordagens inicialmente usadas consistia em projetar nanopartículas pequenas o suficiente para passar através dos poros dos vasos sanguíneos ao redor dos tumores, mas que não passassem pelos poros dos vasos no tecido saudável.

"Acreditava-se que, se as nanopartículas fossem projetadas no tamanho certo elas poderiam se mover seletivamente apenas na direção do tumor," disse Han.

No entanto, a ideia não deu certo porque a pressão do fluido intersticial no interior do tumor é maior do que a pressão do tecido saudável circundante. Essa maior pressão empurra para fora a maioria dos agentes de entrega de medicamentos e dos contrastes de imagem, com apenas uma pequena porcentagem atingindo o alvo.

Por isso os pesquisadores partiram para isolar o tumor.

Com isto a equipe pretende coletar informações detalhadas sobre como as nanopartículas se movem através desse ambiente. Essas informações poderão ajudar nos esforços para aperfeiçoar os métodos de entrega dos medicamentos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Biochips

Câncer

Cobaias

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento