Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

23/04/2015

Comer demais afeta genes ligados ao câncer

Redação do Diário da Saúde

Enquanto comer menos calorias faz viver mais, a ingestão excessiva de alimentos - cuja face mais visível é a obesidade - está ligada a uma série de problemas de saúde.

Mas ainda é necessário descobrir os mecanismos pelos quais o excesso de nutrientes causa esses problemas de saúde.

Agora, Nabil Djouder e seus colegas do Centro Nacional de Pesquisa do Câncer (Espanha) descobriram um desses mecanismos.

Danos por comer demais

O excesso de nutrientes - o resultado de comer além das necessidades calóricas do organismo - ativa uma proteína que é alterada no câncer, no diabetes e em desordens associadas com o envelhecimento.

A mTOR (sigla em inglês para "alvo da rapamicina em mamíferos") é uma proteína - ou um gene, como é comumente chamada - que é alterada em doenças humanas como o câncer e o diabetes, em processos associados com o envelhecimento, assim como em certas patologias cardiovasculares e neurodegenerativas.

O que Djouder descobriu agora é que, em resposta a um excesso de nutrientes ingeridos pela alimentação, uma outra proteína - outro gene - chamada MCRS1 age como um "interruptor" que aciona a mTOR, ativando todos os danos que podem ser conduzidos por seu intermédio.

"Embora em nosso estudo tenhamos publicado resultados obtidos a partir de amostras de câncer colorretal, também estamos estudando a relação entre esta proteína e doenças do fígado, o órgão metabólica primário," explicou Djouder.

Proteína mTOR

Sob condições normais, a mTOR regula funções celulares essenciais, tais como a síntese de proteínas e o crescimento celular.

No entanto, uma hiperestimulação da mTOR em resposta aos nutrientes e a fatores de crescimento - processos metabólicos que são cruciais na biologia dos tumores - leva a um aumento do crescimento e da proliferação celular.

O que se sabe agora é que é a proteína MCRS1 - uma proteína associada com a regulação de genes e processos de morte celular - que ativa a mTOR e, assim, estimula a proliferação das células.

A boa notícia é que o oposto também poderá ser verdadeiro, ou seja, o bloqueio desta proteína poderá vir a se tornar um tratamento eficaz para o câncer e todas as demais doenças e condições associadas com alterações da mTOR, desde que seja possível "desligar esse interruptor".

Excesso de ingestão calórica

A incidência de câncer e outras doenças relacionadas aumentou consideravelmente nas sociedades ocidentais nas últimas décadas. Isto é, em grande parte, atribuído a um aumento da ingestão calórica e um estilo de vida mais sedentário.

Assim, desvendar os processos celulares que agem em resposta a um excesso de nutrientes pode contribuir para uma melhor compreensão da biologia do câncer, além de ajudar no enfrentamento dos desafios impostos pelo sobrepeso e pela obesidade.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Alimentação e Nutrição

Obesidade

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?