Como as crenças espirituais auxiliam os pacientes com câncer

Como as crenças espirituais auxiliam os pacientes com câncer
Já se demonstrou que os sentimentos relacionados à espiritualidade são anti-inflamatórios naturais e que a espiritualidade melhora a saúde independentemente da religião do paciente. Por isso, os especialistas defendem que os médicos devem explorar a espiritualidade dos pacientes nos tratamentos para obter melhores resultados e dar mais conforto a eles.
[Imagem: Andreanna Moya/USC]

Espiritualidade e saúde

Pesquisas entre pacientes revelam que a maioria dos indivíduos com câncer tem crenças religiosas e espirituais, ou tiram conforto das experiências religiosas e espirituais.

Mas qual o impacto que isso tem sobre a saúde dos pacientes - saúde em sentido amplo, física, emocional e social?

Uma análise de todos os estudos publicados sobre o tema - que incluíram mais de 44 mil pacientes no total - foi publicada no exemplar deste mês da revista Cancer, da Sociedade Americana do Câncer.

Os resultados indicam que a religião e a espiritualidade têm associações significativas com a saúde dos doentes, mas houve grande variabilidade entre os estudos individuais revisados a respeito de como as diferentes dimensões da religião e da espiritualidade dizem respeito a diferentes aspectos da saúde.

Espiritualidade e saúde física

Na primeira análise, os pesquisadores se concentraram na saúde física.

Pacientes que relatam maior religiosidade e espiritualidade em geral também relatam melhor saúde física, maior capacidade de executar suas tarefas diárias habituais e menos sintomas físicos do câncer e do tratamento.

"Essas associações foram particularmente fortes em pacientes que apresentaram aspectos emocionais mais fortes da religião e da espiritualidade, incluindo um senso de significado e sentido na vida, bem como uma ligação com uma fonte maior do que si mesmos," descreve Heather Jim, principal autora do estudo.

A médica observou que os pacientes que relataram aspectos cognitivos mais fortes sobre a religião e a espiritualidade, como a capacidade de integrar o câncer em suas crenças religiosas ou espirituais, também relataram melhor saúde física. No entanto, a saúde física não se mostrou relacionada com aspectos comportamentais da religião e da espiritualidade, como a frequência à igreja, orações ou meditação.

Espiritualidade e saúde mental

Na segunda análise, os pesquisadores examinaram a saúde mental dos pacientes.

A equipe descobriu que os aspectos emocionais da religião e da espiritualidade estão mais fortemente associados com uma saúde mental positiva do que aspectos comportamentais ou cognitivos da religião e da espiritualidade.

"O bem-estar espiritual foi, sem surpresa, associado com menos ansiedade, depressão ou angústia," disse John Salsman, coautor da análise. "Além disso, maiores níveis de angústia espiritual e uma sensação de desconexão com Deus ou com uma comunidade religiosa mostraram-se associados com maior sofrimento psicológico ou menor bem-estar emocional."

Espiritualidade e saúde social

A terceira análise centrou-se na saúde social, a capacidade dos pacientes para manter papéis e relações sociais em face da doença.

A religião e a espiritualidade, assim como cada um de suas dimensões, mostrou ligações confiáveis com a saúde social, mas muito mais modestas do que nos outros aspectos, revelando que o papel da espiritualidade é mais forte no aspecto íntimo do que no relacionamento com os demais.

"Além disso, alguns pacientes lutam com o significado religioso ou espiritual do seu câncer, o que é normal. A forma como eles resolvem essa luta pode impactar sua saúde, mas é necessário realizar mais pesquisas para melhor compreender e apoiar estes pacientes," concluiu Heather Jim.


Ver mais notícias sobre os temas:

Espiritualidade

Câncer

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.