Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

09/05/2013

Como manter o coração saudável, um passo de cada vez

Redação do Diário da Saúde
Como manter o coração saudável, um passo de cada vez
Já existem remendos para reparar o coração, mas é muito melhor evitar depender deles.[Imagem: Everaldo Coelho/YellowIcon]

Receber um diagnóstico de problemas como pressão alta ou colesterol alto é um chacoalhão que deve mostrar que é hora de fazer mudanças no seu estilo de vida.

A boa notícia é que algumas mudanças simples podem ajudar, antes de tudo, a evitar esse diagnóstico.

Concentrando-se em sete fatores e comportamentos de saúde você pode manter o seu coração saudável, diminuir os riscos de doenças cardíacas e acidente vascular cerebral, e melhorar a sua qualidade de vida.

O alerta é da Sociedade Americana do Coração, que listou sete passos essenciais para sair da condição de risco das doenças cardiovasculares.

"Todos nós nascemos com um grande estoque de boa saúde, e cabe a nós protegê-lo com boas escolhas," disse o Dr. Donald Lloyd-Jones, da Universidade de Northwestern e um dos autores das recomendações.

Os pesquisadores selecionaram os fatores e comportamentos que têm o maior impacto sobre a saúde do coração, tanto isoladamente (cada medida por si), quanto no geral.

Sete passos para um coração saudável

  1. Exercite-se
  2. Coma melhor
  3. Perca peso, ou mantenha um peso saudável
  4. Controle o colesterol
  5. Controle a pressão arterial
  6. Reduza o açúcar no sangue
  7. Pare de fumar

Fazer mudanças positivas em qualquer uma destas áreas pode fazer a diferença na sua saúde, afirma o Dr. Lloyd-Jones.

"Pequenas mudanças fazem a diferença," disse ele. "Se você puder perder peso, ou manter um peso saudável, você pode reduzir o risco de diabetes, colesterol alto e pressão arterial elevada."

Mude de vida antes que sua vida mude

O importante é fazer mudanças no comportamento antes de desenvolver uma doença crônica, como a hipertensão ou o colesterol elevado.

Embora existam medicações capazes de reduzir o risco de um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, esses remédios não eliminam o risco e nem trazem a pessoa de volta para uma condição de baixo risco.

"Um derrame pode ser absolutamente devastador e cobrar um pedágio alto na qualidade de vida de uma pessoa," disse o médico. "Além de evitar isso, queremos preservar a longevidade saudável das pessoas."


Ver mais notícias sobre os temas:

Coração

Prevenção

Sentimentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão