Partículas magnéticas podem evitar complicação da anestesia raquidiana

Partículas magnéticas podem evitar complicação da anestesia raquidiana
O líquido azul - anestésico misturado ao ferrofluido - espalha-se de acordo com o controle do campo magnético externo. .
[Imagem: IARS]

Bloqueio espinhal alto

Partículas magnéticas misturadas a uma anestesia local podem ser a solução para evitar uma complicação rara, mas muito séria, da anestesia raquidiana.

A anestesia raquidiana é aplicada na medula espinhal, injetada por entre as vértebras.

Em cerca de 0,6 em cada 1.000 anestesias raquidianas, contudo, ocorre o chamado "bloqueio espinhal alto", quando o anestésico se espalha sobre as partes mais altas da medula espinhal.

Vencendo a gravidade

Quando sobe pela medula espinhal, o anestésico interfere com os nervos que regulam a função cardíaca, causando um declínio rápido e agudo do ritmo cardíaco e da pressão sanguínea, com elevado risco de morte.

O Dr. Robert H. Thiele e seus colegas da Universidade da Virgínia (EUA) descobriram que esse risco pode ser evitado com uma técnica simples: a utilização de ferrofluidos magnetizados - fluidos com partículas magnéticas em solução.

Os anestesiologistas hoje previnem os riscos do bloqueio espinhal alto modificando a dose de anestésico e colocando o paciente de forma que a força da gravidade leve o anestésico para as regiões mais baixas do corpo.

"Entretanto, em determinadas circunstâncias, só a força gravitacional pode não ser suficiente para controlar o bloqueio elevado," afirmam os pesquisadores em um artigo publicado na revista Anesthesia & Analgesia.

Eles então usaram um fluido anestésico magnetizado e um fraco campo magnético externo, que puxa o anestésico para baixo. Desta forma, seu espalhamento pela região desejada não depende mais da força da gravidade.

Problemas práticos

O experimento foi realizado apenas em condições de laboratório, usando estruturas plásticas que imitam o corpo humano.

Embora partículas magnéticas sejam usadas em alguns tratamentos médicos, a solução magnética usada pelos pesquisadores ainda não é aprovada para uso no corpo humano.

Antes disso, porém, os médicos querem testar a viabilidade da adoção da técnica no ambiente real de uma sala de cirurgias, onde a aplicação e o controle do campo magnético pode não ser tão simples.

Só depois eles partirão para os testes de segurança e toxicidade do ferrofluido.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cirurgias

Medicamentos

Gravidez

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.