Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

12/08/2013

Composto da soja pode inibir HIV

Redação do Diário da Saúde
Composto da soja pode inibir HIV
A genisteína, composto natural presente na soja, também pode resolver os problemas de toxicidade dos medicamentos usados contra o HIV.[Imagem: Wikimedia/Klaus Höpfner]

Um composto encontrado na soja pode tornar-se um tratamento eficaz para o HIV, sem os problemas de resistência a medicamentos enfrentados pelas terapias atuais.

A genisteína, derivado da soja e de algumas outras plantas, apresentou um efeito promissor na inibição da infecção pelo HIV.

Ainda assim, isso não significa que as pessoas devam começar a comer grandes quantidades de produtos de soja, uma vez que o estudo está em seus estágios iniciais.

"Embora a genisteína seja abundante em diversas plantas, como a soja, ainda é incerto se a quantidade de genisteína que consumimos ao comer soja é suficiente para inibir o HIV," afirma Yuntao Wu, da Universidade George Mason, que fez o estudo em conjunto com sua colega Jia Guo.

Sensores celulares

A genisteína é um "inibidor de tirosina-quinase" - ela funciona bloqueando a comunicação de sensores na superfície de uma célula com o seu interior.

O composto já apresentou resultados promissores em situações que vão da metástase do câncer e da eficiência da radioterapia até as ondas de calor da menopausa e a prevenção da perda óssea.

Encontrados na superfície das células, esses sensores dão à célula informações sobre seu ambiente e também permitem a comunicação com outras células.

O HIV usa alguns desses sensores de superfície para enganar a célula e enviar sinais para seu interior. Estes sinais mudam a estrutura celular para que o vírus possa entrar e a infecção se espalhar.

Mas a genisteína bloqueia o sinal e impede que o HIV encontre um caminho para dentro da célula.

Esta é uma abordagem diferente da adotada pelas drogas antirretrovirais usadas hoje para inibir o HIV.

"Em vez de agir diretamente sobre o vírus, a genisteína interfere com os processos celulares que são necessários para que o vírus infecte as células. Deste modo, ela dificulta que o vírus se torne resistente à droga", diz Wu.

"Nosso estudo está nos estágios iniciais. Se se mostrar clinicamente eficaz, a genisteína poderá ser usada como um complemento para o tratamento de infecção por HIV," prevê ele.

Toxicidade dos medicamentos

Os pesquisadores afirmam que esta abordagem à base de plantas pode resolver problemas de toxicidade dos medicamentos usados contra o HIV.

Como a genisteína é derivada de plantas, ela tenderá a ter menos efeitos colaterais, contornando a toxicidade dos medicamentos sintéticos.

Tipicamente, os pacientes de AIDS hoje tomam uma combinação de múltiplas drogas para inibir o vírus. A frequência com que esses medicamentos são aplicados pode ativar a toxicidade do fármaco.

Além disso, o HIV sofre mutações e se torna resistente aos medicamentos.

Wu e sua equipe estão trabalhando agora para descobrir a quantidade de genisteína necessária para inibir o HIV.

É possível que as plantas não tenham níveis elevados o suficiente, o que pode exigir a elaboração de suplementos de alta concentração.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos Naturais

Alimentação e Nutrição

Plantas Medicinais

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão