Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

07/08/2015

Compra compulsiva é problema de saúde - e tem tratamento

Com informações do Jornal da USP
Compra compulsiva - Oniomania
O ato de comprar desperta nas pessoas uma sensação de bem-estar, prazer e satisfação. No comprador compulsivo, esse sentimento é exagerado. [Imagem: Marcos Santos / USP Imagens]

Oniomania

O nome do transtorno é oniomania, a impulsão para comprar coisas - o termo é derivado do grego oné (compra, aquisição) e manía (insânia, fúria).

O que leva uma pessoa a comprar compulsivamente é que, muitas vezes, o ato de comprar serve como remédio para a angústia e a depressão, explica a psicóloga Tatiana Filomensky, coordenadora do Programa para Compradores Compulsivos, da USP (Universidade de São Paulo).

O ato de comprar desperta nas pessoas uma sensação de bem-estar, prazer e satisfação. No comprador compulsivo, esse sentimento não é diferente.

"O problema é que, para ele, isso é muito mais. Ele vai em busca dessa satisfação com uma frequência muito maior, porque não consegue atingir essa satisfação de outra maneira. A solução para as sensações desagradáveis, negativas e frustrações está nas compras. Muitos dizem que compram para preencher um vazio," explica Tatiana.

Sintomas do comprar compulsivo

O comportamento repetitivo e crônico de gastar descontroladamente gera consequências negativas para o indivíduo, além dos elevados índices de comorbidade (doenças relacionadas), como transtorno de humor e ansiedade.

Os principais sintomas da compra compulsiva são:

  • preocupação excessiva, perda de controle sobre o ato de comprar;
  • aumento progressivo do volume de compras;
  • tentativas frustradas de reduzir ou controlar as compras;
  • comprar para lidar com angústias ou outra emoção negativa;
  • mentiras para encobrir o descontrole com compras;
  • prejuízos nos âmbitos social, profissional e familiar;
  • problemas financeiros causados por compras.

A boa notícia é que a oniomania tem tratamento.

Tratamento da compra compulsiva

Para tratar esse transtorno, é necessário realizar uma avaliação psiquiátrica para diagnosticar as questões relacionadas aos problemas de cada indivíduo.

Paralelamente, é feito o tratamento psicoterápico, realizado em grupo. São 20 sessões, uma vez por semana, durante uma hora e meia. Dois psicólogos fazem o acompanhamento durante todo o período em que o paciente se encontra em tratamento, buscando ajudá-lo a entender o que acontece com ele, por que compra demasiadamente, quais os "gatilhos" que o levam a esse descontrole e o porquê desse comportamento compulsivo.

Segundo Tatiana, a doença não tem cura, mas consegue-se controlá-la. Os resultados do ambulatório são positivos, afirma: "As pessoas que passaram pelo tratamento e tiveram alta dizem que melhoraram muito e que mudaram o seu comportamento."

O importante, para a psicóloga, é tentar "ressignificar" o comportamento compulsivo, mostrar outras formas de a pessoa obter recompensas e sentir-se amada que não seja pelo viés do consumo compulsivo. Tatiana explica que não dá para simplesmente dizer para a pessoa não comprar nunca mais: "Temos que ensiná-la a entender quando é uma compra compulsiva e quando é normal."

Mais informações sobre o Programa para Compradores Compulsivos da USP podem ser obtidas no endereço eletrônico www.proamiti.com.br.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vícios

Consumo Responsável

Comportamento

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?